21/02/2020 às 06h06min - Atualizada em 21/02/2020 às 06h06min

Polícia Civil identifica quadrilha que aplicou golpes contra 14 lojas e 5 instituições financeiras em Barra do Garças

Assessoria / PJC MT
ARAGUAIA NOTÍCIA
A Polícia Judiciária Civil, por intermédio da  Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf), cumpriu na quarta-feira (19/2), um mandado de busca e apreensão em uma residência localizada na cidade de Barra do Garças/MT, logrando êxito em apreender farta documentação, holerites, boletos bancários, HDs, aparelhos  e celulares. 

Dentre outros objetos, conseguindo assim provas robustas para comprovação dos delitos investigados em inquérito policial em trâmite na delegacia que apura crimes de estelionato, associação criminosa, falsificação de documentos particulares e receptação.

As investigações iniciaram em outubro/2019 quando a delegacia foi procurada por dois envolvidos no esquema criminoso, os quais colaboraram com as investigações.

Os policiais descobriam que a quadrilha envolvida no esquema já estava atuando nos golpes há mais de um ano e neste período pelo menos 14 lojas e cinco instituições financeiras foram vítimas dos suspeitos, causando um prejuízo estimado em 200 mil reais.

O esquema foi idealizado por um dos envolvidos do grupo criminoso, o qual convidava outras pessoas para participar de uma empresa criada para praticar delitos. Ele dizia ser Hacker e que conseguia acessar os bancos de dados das empresas de negativação de crédito e retirar os protestos pelo não pagamentos de dívidas.

Sendo assim, propunha aos seus comparsas que usaria os documentos dos envolvidos, aproveitando do Score para fazer crediários nas lojas da cidade e posteriormente adquirir produtos parcelados em boletos, os quais não eram pagos.



Estes objetos eram vendidos em classificados e o dinheiro rateado em os membros da associação criminosa. Além das lojas eles abriam contas em instituições financeiras e conseguiam aprovação de limites utilizando de holerites falsificados, sacando o dinheiro e fazendo o rateio.

Segundo os Delegados Nelder Martins e Wilyney Santana Borges Leal que presidem as investigações, este pode ser o maior esquema montado na região do Araguaia para lesar o comércio, que acaba ficando no prejuízo, pois os boletos não são pagos.

Até o momento, segundo os delegados, já foram identificados pelos menos 28 pessoas com envolvimento no esquema criminoso. As investigações prosseguem com a análise dos documentos e objetos colhidos durante o mandado de busca e apreensão.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »