13/09/2013 às 18h21min - Atualizada em 13/09/2013 às 18h21min

Bióloga faz campanha na internet para conseguir doadores de medula óssea

Olhar Direto
Olhar Direto

A jovem de Barra do Garças Nadia Andrade da Cruz, 28 anos, lançou uma campanha na internet, para conseguir doadores de medula óssea na região do Araguaia com objetivo de ampliar o Cadastro Nacional de Doares de Medula Óssea (Redome), que tem hoje três milhões de cadastrados. Ela é uma das pacientes que aguardam na fila uma medula óssea compatível para fazer o transplante.

Nadia é portadora de leucemia mielóide e decidiu agir tão logo descobriu a doença. No facebook, ela tenta convencer as pessoas a se tornarem doadoras. A barra-garcense foi a luta e conseguiu outro feito elogiável, a vinda de uma equipe do hemocentro de Goiânia nos dias 28 e 29/09 para efetuar os testes em Aragarças-GO facilitando a vida de quem mora na região e que de repente queira se tornar um doador. O teste de compatibilidade é feito nas capitais e algumas cidades do interior do país.

A intenção é ampliar o número de doadores junto ao Redome. “Além de mim existem várias pessoas na fila aguardando um doador que pode salvar a vida de um paciente com leucemia ou linfoma”, completou Nadia que acredita na cura do caso dela e de outros e citou o exemplo do ator Reynaldo Gianecchini que enfrentou um tumor linfoma bastante agressivo e venceu.

Para realizar a campanha dias 28 e 29/09, Nadia conseguiu também o apoio do prefeito de Aragarças, Aurélio Mendes; do prefeito de Barra do Garças, Roberto Farias e da secretária-adjunta da Saúde, Sônia. Ela decidiu recorrer a imprensa para ampliar a campanha e pediu para os interessados em participar procurem o hemocentro de Cuiabá para o teste de compatibilidade.

Nadia explicou que o teste é rápido e consiste em tirar uma amostra do sangue do candidato a se tornar doador. A medula óssea produz componentes vitais para o sangue como se fosse o tutano e fica no interior dos ossos. Podem se tornar doadores, pessoas de 18 a 55 anos. Para fazer o teste, o doador não precisar estar em jejum e as grávidas e diabéticos podem doar.

Nádia descobriu que está com leucemia há um ano e meio e faz tratamento de quinze em quinze dias em Goiânia. Ela é formada em biologia e foi bolsista da UFMT e reside no bairro Santo Antônio e está casada há um ano.

Nadia colocou um fórum sobre esse assunto no face, ‘Cadastramento no Redome’ para quem quiser mais informações pode ligar no telefone (66) 9241 3850. As chances de conseguir um doador compatível são de uma para 100 mil, mas essa proporção pode cair se houver mais conscientização das pessoas. 


Notícias Relacionadas »
Comentários »