03/12/2019 às 16h15min - Atualizada em 03/12/2019 às 16h15min

Mulher explica como namorado sumiu com cabeça d’água

Casal estava junto quando o homem foi levado pela água no Vale da Lua, em Alto Paraíso de Goiás. Corpo de Bombeiros busca pelo turista desde a manhã de segunda-feira (2).

Naiara Santos e Vanessa Martins, TV Anhanguera e G1 GO
ARAGUAIA NOTÍCIA / AGUA BOA NEWS
A namorada do turista que desapareceu no domingo (1/12) na Chapada dos Veadeiros falou sobre o momento em que Jacob Pilar Santana foi levado por uma cabeça d’água. Ainda abalada pelo acidente, Jéssica Carmelo Zafalon ficou em Alto Paraíso de Goiás aguardando pela localização de Santana pelo Corpo de Bombeiros.
 
“Foi rápido. A água veio e, em questão de segundos, veio aquela tromba com fluxo muito forte já e pegou a gente. [...] Rezo a Deus para que ele tenha conseguido flutuar, para que o encontrem nas buscas”, disse a namorada.
 
Segundo a meteorologista Elizabete Alves Ferreira, chefe do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) em Goiás, o que aconteceu durante o passeio dos turistas é conhecido como cabeça d'água. O fenômeno também é conhecido, popularmente, como tromba d'água, apesar de serem situações diferentes.
 
"A tromba d'água, na meteorologia, é um tornado dentro da água, tanto doce, como salgada. A cabeça d'água é quando a chuva aumenta muito o nível do rio, causando uma enxurrada que sai arrastando tudo. Popularmente, é a mesma coisa", disse.
 
O turista sumiu no Vale da Lua, que é um local onde há formações rochosas e alguns poços usados para banho. Um vídeo mostra como ficou o local após a passagem da cabeça d'água.
 
O dono da área onde ocorreu o acidente afirmou à TV Anhanguera que um socorrista tentou ajudar o turista, mas não conseguiu resgatá-lo. Outras 15 pessoas conseguiram se afastar a tempo – Jéssica estava entre elas.
 
O tenente do Corpo de Bombeiros Paulo Santos disse que as buscas continuaram na manhã de terça-feira (3). “A dificuldade é muito grande. É um local muito perigoso, com muitas armadilhas, então os mergulhadores precisam de muita cautela”, afirmou.
 
O bombeiro destacou que o local é muito frequentado por turistas, mas que todos precisam ter cuidado e observar sempre as regras de segurança. "Tem atrativos com limitação de banho, outros em que não se pode aproximar da queda da cachoeira. Tem que seguir as orientações de cada local", alertou.
 
Riscos
 

Em outubro, um grupo de turistas já havia ficado ilhado na região após uma forte chuva. Todos foram resgatados sem ferimentos.
 
Já na semana passada, outro turista morreu após se separar de familiares enquanto fazia uma trilha dentro do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. O corpo dele foi encontrado submerso.


Notícias Relacionadas »
Comentários »