27/11/2019 às 15h32min - Atualizada em 27/11/2019 às 15h32min

Polícia faz reconstituição do crime da cachoeira em Barra do Garças com casal acusado

Os acusados confessaram o crime e o motivo seria vingança pelo fato da vítima ter trocado mensagens com a esposa do acusado

Araguaia Notícia
Casal acusado de matar jovem na trilha das cachoeiras em Barra do Garças
A Polícia Civil realizou na quarta-feira (27/11) a reconstituição (reprodução simulada) do crime que ceifou a vida do jovem João Paulo Souza Rosa, de 23 anos, que fora assassinado no dia 9/11 na trilha das cachoeiras no Parque Serra Azul em Barra do Garças-MT. O corpo foi encontrado dois dias numa ribanceira.

E os acusados pelo crime: Fábio Luiz, de 43 anos, e Marcieli Frank, de 23 anos, foram presos na terça-feira (26/11) após o cumprimento de dois mandados de prisão expedidos pela Justiça de Barra do Garças. O casal negou, no primeiro momento, mas diante de todas as evidencias que foram levantadas pela Polícia Civil acabou confessando o homicídio.

Segundo a Polícia, Fábio e Marcieli teriam tramado a morte de João Paulo após uma troca de mensagens entre a vítima e a mulher do acusado que se conheceram numa festa de aniversário em outubro. 

Na oportunidade, ela estava trabalhando de garçonete e conversou rapidamente com João Paulo. A polícia acredita que não houve tempo dos dois terem alguma coisa mais afetiva, mas que Fábio ficou enciumado ao saberr da troca de mensagens e decidiu matar o garoto e para tanto contou com a colaboração da esposa.

O rapaz foi atraído para cachoeira e lá foi morto com um mata-leão (asfixiado) e o corpo jogado numa ribanceira em meio a várias pedras.

A reconstituição foi realizada por peritos e policiais com objetivo de confrontar o depoimento do casal. A reprodução foi coordenada pelo delegado Heródoto Fontenelle, que responde interinamente pela 1ª DP. E foi o próprio - Fontenelle - que recebeu no dia 9/11 a notícia sobre o desaparecimento de João Paulo na cachoeira.

O corpo do rapaz foi encontrado no dia 11/11 numa ribanceira na trilha das cachoeiras. E na ocasião ficou a dúvida se teria ocorrido um acidente, suicídio ou homicídio.

No dia do crime, o rapaz foi levado pelos pais até perto da cachoeira. E na sequência, ele seguiu a pé até a trilha das cachoeiras onde encontrou a Marcieli.

No meio do caminho, apareceu Fábio que estava escondido e que simulou assalto usando uma faca e rendendo a esposa e João Paulo, que foram amarrados com uma fita crepe. Fábio chegou a pedir a carteira dizendo que era um roubo, mas revelou que era esposo de Marcieli e estava ali contrariado pela troca de mensagens entre João Paulo e a esposa dele.

A vítima que estava amarrada, ainda tentou levantar, todavia foi asfixiada com mata-leão e teve o corpo jogado na ribanceira. A reconstituição foi feita separadamente até mesmo para evitar contradição ou alguma inverdade por parte dos acusados. O caso está solucionado faltando apenas com algumas diligências para que o inquérito seja remetido ao Ministério Público de Barra do Garças.



Mais um crime complexo devidamente esclarecido pela Polícia Civil em Barra do Garças 

Mesmo com a complexidade do caso e com o fato dos criminosos terem planejado todas as suas ações previamente, tentando impedir a elucidação do crime, inclusive tentando fazer com que fosse um acidente ou suicídio, o crime foi devidamente elucidado pela equipe da 1ª DP
 
Foi então, que por meio do delegado Heródoto Fontenele foram realizadas as representações devidas, que foram de imediato ratificadas pelo Ministério Público e devidamente deferidas pelo Poder Judiciário de Mato Grosso.

Estes por sua vez, diante de todos os meios de provas apresentados, confessaram a execução deste crime bárbaro. Todos os fatos foram devidamente e legalmente registrados pelos Escrivães da 1ªDP, objetivando a busca da correta persecução criminal.

Mais uma vez a Polícia Civil de Barra do Garças reforça a qualidade dos serviços prestados em nossa cidade. Destacando os altos índices de resolução de crimes. Inclusive, a 1ª DP, no ano de 2018, obteve máxima produtividade na resolução dos crimes de homicídios tentados e consumados, alcançando 100% de resolução. Índice que é buscada em 2019, também.
 
A 1ª Delegacia de Polícia Civil de Barra do Garças tem como titular o Delegado Adriano Marcos Alencar, no entanto, atualmente está sob coordenação do delegado Heródoto Fontenele, que é a autoridade policial que preside a investigação em apreço.

A 1ª DP conta com uma Equipe de Investigadores e Escrivães comprometidos com a missão institucional de assegurar a ordem pública, mediante investigação policial de qualidade, na busca da apuração e repressão de ilícitos penais.
Notícias Relacionadas »
Comentários »