05/11/2019 às 11h55min - Atualizada em 05/11/2019 às 11h55min

Mulher com rosto deformado pede cirurgia: 'meu pior inimigo é o espelho'

Marta Helena Barbosa, de 35 anos, conta que não consegue emprego por causa da aparência e vive isolada dentro de casa, em Trindade. Com dois filhos e sem trabalho, ela passa por dificuldades financeiras e teme perder a casa

Lis Lopes, G1 GO
ARAGUAIA NOTÍCIA / AGUA BOA NEWS


Aos 35 anos de idade, tudo o que Marta Helena Barbosa deseja é uma chance de recomeçar a vida sem ser julgada pela aparência. Por causa de uma doença considerada rara, Marta Helena, que mora em Trindade, na Região Metropolitana de Goiânia, tem o rosto deformado, o que a faz sofrer preconceito e não conseguir emprego. Por isto, ela pede ajuda para fazer uma cirurgia plástica.
 
“Meu maior sonho é fazer essa plástica no rosto, não para eu ter beleza, mas para trabalhar e conseguir criar meus filhos. Não consigo [trabalhar] porque hoje em dia o que manda é a aparência”, diz.
 
Ela tem neurofibromatose, uma doença genética que pode causar tumores no sistema nervoso, de acordo com informações do Ministério da Saúde. Segundo Marta, a condição surgiu quando ela tinha 1 ano de idade, mas passou a se manifestar de forma visível a partir dos 15 anos. Ela conta que vive isolada “desde quando se entende por gente”.


 
“Não tem coisa mais doída que você sair e os outros apontarem o dedo. Meu pior inimigo é o espelho. Fico mais isolada. Só saio para arrumar alguma documentação, ir ao hospital, mas, mesmo assim, só saio de cabeça baixa”, afirma.
 
 
Para Marta, a cirurgia seria uma forma de acabar com a humilhação e preconceito que tem enfrentado nos últimos 20 anos.
 
“Preciso da cirurgia para eu parar de ficar me humilhando para os outros, porque você bate de porta em porta, e a porta sempre está fechada. Porque preciso trabalhar para ter um objetivo na vida e conseguir cuidar dos meus filhos. Se eu não fizer isso, vou perder onde moro”, diz, emocionada.
 
Medo de perder a casa
 
Desde a comprovação da neurofibromatose, aos 12 anos, Marta Helena recebe auxílio-doença mensalmente. O valor é equivalente a um salário mínimo.
 
No entanto, o dinheiro não é suficiente para sustentar ela e os dois filhos, de 17 e 15 anos. Os três moram em uma casa que ela construiu com o dinheiro da venda de balinhas na rua, mas as prestações do lote ainda precisam ser pagas ao longo de 12 anos.
 
“Todo mês é R$ 380 do lote. Aí tem água, energia, despesa dentro de casa, o bujão de gás, material escolar dos meninos, e aí vai indo”, comenta.
 
 
Marta Helena precisa de ajuda para pagar lote onde mora, em Trindade — Foto: Lis Lopes/G1

Marta Helena precisa de ajuda para pagar lote onde mora, em Trindade — Foto: Lis Lopes/G1

Marta Helena precisa de ajuda para pagar lote onde mora, em Trindade — Foto: Lis Lopes/G1
 
Segunda cirurgia
 
Marta Helena conta que chegou a ganhar uma cirurgia plástica, há 15 anos, de um médico de Trindade que se comoveu com a situação dela. No entanto, após 10 anos, as deformidades provocadas pela doença voltaram a aparecer no rosto dela.
 
Ainda segundo Marta, ela conseguiu um encaminhamento para a cirurgia no Centro de Reabilitação e Readaptação Dr Henrique Santillo (Crer), mas ainda não sabe quando ou se o procedimento será realizado.
 
“Saiu uma vaga para mim no Crer, mas até agora só passei por consulta e fiz uma ressonância. Nem sei se essa cirurgia vai sair mesmo”, diz.
 
Em nota, o Crer informou que o médico responsável pela consulta de Marta solicitou exames. Porém, até o momento, a unidade afirmou que não recebeu autorização para o agendamento no Crer.
 
"Como a paciente é de Trindade, as solicitações devem ser levadas para a Secretaria Municipal de Saúde do município de origem para a devida autorização. Neste caso, a unidade orienta que a paciente entre em contato com a Secretaria Municipal de Saúde da cidade de origem para mais informações sobre essa autorização", informou o Crer.
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

1.9%
4.5%
19.5%
74.2%