03/11/2019 às 17h34min - Atualizada em 03/11/2019 às 17h34min

Barra-garcense participa do Outubro Rosa além da fronteira

Wilson Nobre é fisioterapeuta e cursa medicina no Paraguai. Ele fala sobre sua experiência no país vizinho e como os bons exemplos chegaram lá como a campanha Outubro Rosa

Araguaia Notícia
Outubro Rosa ultrapassa fronteiras e barra-garcense participa da atividade


A campanha Outubro Rosa já ultrapassou a fronteira e alcançou outros países. No Paraguai a mensagem está sendo fortalecida para as mulheres se prevenirem contra o câncer de mama e do colo uterino, profissionais da saúde e parceiros públicos e privados se unem para demonstrar a importância da prevenção, o autoexame e a procurar para realizar a mamografia.

Assim como ocorre todos os anos no Brasil, a Universidade Privada del Guaíra UPG de Pedro Juan Caballero, realizou neste mês de outubro um dos maiores eventos naquela cidade, com palestras, entrega de laços, símbolo da prevenção, distribuição de panfletos, teatro explicativo dentre outras atividades.

Nossa equipe do site Araguaia Notícia entrou em contato com Wilson Nobre, que é de Barra do Garças-MT e estuda em Pedro Juan Caballero e que participou da campanha. “Aqui como acontece aí no Brasil teve um engajamento de alunos e profissionais da saúde para conscientizar as mulheres sobre a prevenção. Isso porque quando falamos de prevenção, estamos agindo antes que o problema seja instalado ou descoberto de maneira tardia”, destacou.



Wilson Nobre, que é fisioterapeuta e faz agora medicina no país vizinho, disse que foi convidado a participar pelo médico oncologista e professor José Cáceres. A atividade contou com apoio do diretor Hugo Monhoz e toda equipe da coordenação Pamela Sales, Lorena López e Mercedes e logicamente todos alunos do sétimo período de Medicina que ficaram responsáveis por toda organização das apresentações,

Alunos de outras turmas apresentaram peças teatrais, decoração da universidade e foi realizado um laço humano em frente à prefeitura de PJC demonstrando incentivo a prevenção do câncer de mama e colo uterino.

Wilson falou sobre sua experiencia de cursar medicina no Paraguai. “Não tem como começar a falar deste assunto sem primeiro agradecer ao povo paraguaio que nos acolhem tão bem. Eu jamais teria a oportunidade de fazer Medicina no Brasil numa universidade particular com os valores tão elevados que são. E falar da UPG para mim é motivo de orgulho, me recepcionaram muito bem é uma universidade que vem crescendo dentro de Pedro Juan, com valores superacessíveis com um corpo docente de alto nível, aos poucos estão melhorando a estrutura para maior conforto aos alunos”, completou.
 
Segundo Wilson, a medicina geral no Paraguai cresceu muito nos últimos anos, com carga horária maior que muitas faculdades no Brasil. E como qualquer instituição de ensino, a competência do profissional depende da aplicação de cada aluno. “Vejo algumas críticas de brasileiros relacionadas aos estudos aqui no Paraguai, porém isso não correspondem a verdade”, frisou.

E sobre idioma, o fisioterapeuta disse que está dando conta mesmo porque a maioria dos paraguaios falam o casteliano e o português além do Guarani, então a comunicação não fica difícil, as aulas são ministradas por médicos brasileiros e paraguaios. Tem aulas que são apresentadas em espanhol e outras até mesmo em mesmo português.



Acompanhe um pouco da campanha do outubro Rosa que atravessou a fronteira.
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

1.8%
4.7%
19.8%
73.7%