30/07/2011 às 10h55min - Atualizada em 30/07/2011 às 10h55min

OAB encabeça campanha fora posto fiscal no Araguaia

Olhar Direto
Reprodução Sandro é dono da Faculdade Cathedral e presidente da OAB-BG

A diretoria da Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil de Barra do Garças (508km de Cuiabá) lançou nesta quarta-feira (27 de julho) a campanha Fora Posto Fiscal, cujo objetivo é coletar assinatura de advogados e moradores das cidades de Barra do Garças, Aragarças e Pontal do Araguaia. O resultado será o encaminhamento do abaixo assinado aos governadores de Mato Grosso e Goiás, secretários de fazenda, deputados, senadores, solicitando a mudança dos postos fiscais localizados apenas a poucas distâncias entre uma cidade e outra, fazendo com que o trânsito fique congestionado diuturnamente, acarretando transtornos para os cidadãos.

Os interessados em participar da campanha devem assinar o documento que está disponível nas salas da OAB/MT do fórum e da Vara do Trabalho, na Sede da Subseção da OAB de Barra do Garças, além de diverso s locais nas três cidades.

“Também estamos disponibilizando pastas (kits) com o oficio e folhas em branco para que empresários e presidentes de entidades que tenham interesse em participar da campanha levem aos seus locais de trabalho para colherem assinaturas. Todo o material pode ser solicitado pelo telefone (66) 3401-1730”, informou o presidente Sandro Saggin.

O advogado ressaltou que a sociedade unida e os advogados podem, juntos, fazer a diferença, e citou o exemplo da conquista da campanha lançada pela OAB/BG para a instalação da Vara da Justiça Federal no município.

Entenda o caso – Dois postos fiscais localizados entre a divisa de Mato Grosso com Goiás estão causando descontentamento dos moradores dos municípios de B arra do Garças, Pontal do Araguaia e Aragarças devido ao congestionamento constante no tráfego de veículos toda vez que há fiscalização, principalmente em caminhões, uma vez que estão separados apenas pelos rios Araguaia e Garças. Segundo estimativa da Polícia Rodoviária Federal e da Polícia Militar, 2.450 carretas e caminhões, em média, passam pelas pontes todos os dias, sem contar os carros, motos e ônibus.

“Para agravar ainda mais a situação, as cidades não possuem atendimento médico especializado satisfatório e completo, o qual frequentemente é buscado com urgência nas capitais destes Estados em casos mais graves. Porém, para o deslocamento das ambulâncias é obviamente necessário passar pelos dois postos fiscais e suas filas intermináveis com trânsito interrompido, ou melhor, sem trânsito. Logicamente corre-se o tempo todo o risco de se perderem vidas na insuportável fila que se forma so bre as pontes e ao longo das avenidas centrais das cidades por falta de socorro médico, o que também é responsabilidade dos Estados”, lamentou Sandro Saggin.

Solução para o caso – Para resolver o problema, Sandro Saggin sugeriu que o posto fiscal de Aragarças pode ser transferido para um ponto da rodovia, no trevo de entrada da cidade ou local próximo, onde também pode funcionar ao mesmo tempo um posto fiscal avançado da Secretaria Estadual de Fazenda de Mato Grosso mediante convênio entre os Estados.


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

75.1%
23.6%
1.3%