30/04/2019 às 21h43min - Atualizada em 30/04/2019 às 21h43min

Polícia descobre que dois matadores teriam recebido R$ 80 mil para assassinar delegado Marlon Luz

O delegado Marlon Luz é filho de Aragarças e atuou na cidade de Caiapônia onde teve que ser transferido por causa do plano que havia para matá-lo

ARAGUAIA NOTÍCIA
O Dia on Line


A promotora de Justiça Teresinha de Jesus Paula Sousa, do município de Caiapônia, solicitou à Polícia Civil do Estado de Goiás (PCGO) que investigue um plano para matar o delegado Marlon Souza Luz, que atuou na cidade até abril.

Segundo a promotora informou ao Portal Dia Online, a denúncia surgiu durante uma investigação do delegado contra suspeitos de estelionato envolvendo gente poderosa. A reportagem viajou até a cidade,

A atuação de Marlon teve destaque na cidade e região quando cortou na própria carne, pedindo afastamento de policiais civis envolvidos com o crime.

A reportagem esteve na cidade antes de o delegado ser transferido para o município de Jataí, em abril, sob a justificativa de estar em risco. A família dele, no entanto, permanece na cidade. O delegado, procurado insistentemente, não quis comentar o assunto.

Segundo o Portal Dia Online apurou, o delegado descobriu o plano para matá-lo quando foi procurado pelo familiar de um matador da região. Ao saber que se tratava de um delegado de polícia, o criminoso, que contaria com a participação de um comparsa, desistiu.

A dupla ainda teria gasto a quantia paga pelo mandante, ou seja, R$ 80 mil para assassinar o policial.

O caso mais delicado, contudo, investigado pelo delegado, envolve religiosos e um policial civil da cidade. O grupo é suspeito de aplicar um golpe milionário. Ainda não há confirmação se a investigação teria alguma coisa a ver com a trama para matar o delegado, mas o período coincide.

No esquema envolvendo religiosos e o policial – que estaria coagindo vítimas – até o atual presidente da Câmara de Vereadores, Jamilton Morais, caiu no golpe. “Estamos esperando que a Justiça seja feita”, disse. A reportagem não dará detalhes para não atrapalhar as investigações. 

Polícia Civil não quis se pronunciar sobre plano para matar delegado, em Goiás

A promotora Teresinha de Jesus Paula Sousa solicitou que a Delegacia Estadual de Investigações Criminais (DEIC) investigasse o plano. O caso, no entanto, foi transferido para a 7° Delegacia Regional de Iporá e ficará sob a responsabilidade do delegado Tiago Junqueira de Almeida.

A assessoria de imprensa da Polícia Civil informou que o delegado-geral, Odair José Soares, não vai comentar o assunto e nem mesmo emitirá uma nota sobre o caso, que está sob sigilo.

Na cidade, no entanto, o assunto não é novidade. Foi um dos moradores que soube do plano e procurou a delegacia para alertar o delegado, que passou a andar com arma de grosso calibre.

Um dos criminosos que teriam sido contratados para matar o policial está preso por homicídio no presídio de Anicuns e outro foi preso recentemente e está na Cadeia Pública de Caiapônia.

O prefeito de Caiapônia, Caio Lima, relembrou casos de ameaças à juíza da cidade, Gabriela Maria de Oliveira Franco, que teve de andar escoltada 24 horas. “Esse caso assustou todo mundo. Ela e o delegado foram ameaçados por um policial rodoviário federal”, disse. “A atuação do doutor Marlon enquanto esteve em nossa cidade foi muito importante”, garante.

“Tem que encontrar o mandante. É inconcebível ameaçar promotor juiz e delegado, que correm risco de vida. Encontrar e punir que atente contra  vida de políticos também”, ressaltou Caio Lima, antes de enumerar as dificuldades e conquistas da administração municipal.

Radialista na cidade e dono de um site, Guinther Júnior, reconhece a diminuição da criminalidade na cidade, mesmo com baixo efetivo pessoal. “O delegado coordenou operações e investigações de repercussão no Estado e em todo o Brasil”, diz ele
 
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

1.6%
5.5%
17.6%
75.2%