22/04/2019 às 07h23min - Atualizada em 22/04/2019 às 07h23min

Filho desaparecido há cinco anos reencontra a mãe com apoio da Defensoria

ARAGUAIA NOTÍCIA
Márcia Oliveira, Defensoria / Água Boa News
Cinco anos após sumir de sua casa, em Manaus (AM), o deficiente auditivo e mental, Alex Farias Moça, 34 anos, voltou para casa às 6h10 de quarta-feira (17/4), acompanhado de sua mãe, Dagmar Gomes Farias. O reencontro só foi possível após a Defensoria Pública de Mato Grosso induzir vários órgãos a formar uma “força tarefa” para identificar e localizar parentes de Alex no Estado e no país.

A ação envolveu o trabalho da Polícia Judiciária Civil (PJC), do Instituto Nacional de Identificações, da Defensoria Pública do Amazonas e da secretaria de Assistência Social de Cuiabá, que a partir de janeiro de 2019, iniciaram os primeiros contatos com Alex, que buscou a DPMT para tirar a segunda via do documento de identificação.

O primeiro contato dele com a Instituição foi no dia 11 de janeiro de 2019, quando, acompanhado de “Marcelo”, disse que tinha perdido seus documentos e precisava tirar a segunda via do Registro Geral (RG). Na ocasião, ele disse que se chamava André Gomes Ferreira. Porém, desde o início foi muito difícil para a Defensoria atendê-lo em função das limitações e dificuldades de comunicação.

Uma das assistentes sociais que atou no atendimento, Eluidil Fontes, explica que ele não conhece a língua de sinais e não é alfabetizado, o que os levou a se falarem com gestos, o que dificultou o entendimento do que ele precisava. O próximo contato foi no dia 21 do mesmo mês, na ocasião, após muita dificuldade, ele foi informado que precisaria trazer um Boletim de Ocorrência registrando o extravio dos documentos.

“Diante da situação, sem que conseguíssemos nos comunicar direito, decidimos entrar em contato com a Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec), da Polícia Civil, e eles nos informaram, no dia 25 de janeiro, que com o nome de André G. Ferreira, existia uma identidade em Mato Grosso, mas, que após o confronto das digitais, eles verificaram que não era do rapaz que auxiliávamos”, explica a assistente.

A partir de então, Alex passou a procurar a Defensoria diariamente para conseguir seus documentos e a equipe multidisciplinar do órgão, composta por defensores, assistentes sociais, assessores jurídicos e psicólogas, decidiu procurar a Delegacia de Homicídios e Pessoas Desaparecidas, para pedir ajuda na divulgação de sua imagem. “Foi quando tivemos resultados concretos, com apoio da Polícia e da Imprensa”, lembra Eluidil.

No dia 18 de fevereiro deste ano, o Núcleo de Pessoas Desaparecidas de Cuiabá, recebeu informações da Defensoria Pública do Amazonas, relatando que André, na verdade se chamava Alex e que ele fazia parte do banco de dados de pessoas desaparecidas da Polícia Civil daquele Estado. A Defensoria do Amazonas atende a mãe de Alex.

De posse das informações, a Defensoria do Amazonas buscou passagens para Dagmar vir buscar o filho e também, para levá-los de volta para casa. A DPMT conseguiu auxílio da secretaria de Assistência Social para acolher a mãe de Alex até quarta-feira e hoje, os órgãos o levarão até a mãe, para que possam se reencontrar.

“Aqui somos uma equipe e para nós, a solução desse problema é uma vitória, uma grande felicidade. Não falamos com a mãe ainda, mas ela estava desesperada atrás dele e já tinha desistido de procurar, até que surgiu a informação de que ele estava em Cuiabá. Depois disso, ambos passaram a pedir, todos os dias, que a situação fosse resolvida logo. É muito importante ver o resultado positivo desse trabalho. Nessas horas, percebemos que a Defensoria Pública faz diferença na vida das pessoas”, disse a assistente social Nildiane Coelho.

Ela lembra que a assistente jurídica Jezibel Magalhães, que trabalha com a coordenadora do Balcão da Cidadania, defensora pública Danielle Dorilêo, enviou ofícios para os 13 cartórios da cidade de Manaus (AM), para solicitar documentos sobre o Alex, depois que descobriram que ele havia nascido naquela capital. “Hoje temos a certidão de nascimento dele, para entregar para a mãe. Foi uma atuação trabalhosa, mas que nos deixou muito satisfeitos”, conclui a assistente.

O avião de Dagmar chegou às 17h30, no aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande. Alex seguiu para o encontro com uma equipe da secretaria de Assistência Social do Município de Cuiabá e se emocionou.
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

1.6%
5.5%
17.7%
75.2%