26/03/2019 às 06h49min - Atualizada em 26/03/2019 às 06h49min

Mulher de MT supera desafios e vence mundial de Muay Thai na Tailândia

MIDIANEWS
ARAGUAIA NOTÍCIA


Mato Grosso teve uma representante subindo no lugar mais alto do pódio em uma das maiores competições de Muay Thai do mundo. Inaleia Ferreira, de 38 anos, ganhou a medalha de ouro na categoria feminina até 75 kg na quarta edição do torneio International & Thai Martial Arts Games, realizado entre os dias 8 e 17 de março em Bangkok, na Tailândia.

O contato de Inaleia com a luta veio em 2015, quando estava acima do peso. A dedicação aos treinos fez com que ela perdesse cerca de 45 kg. Porém, os exercícios precisaram ser interrompidos por conta de um acidente de moto.

O incidente não foi o suficiente para que a atleta deixasse a luta de lado. Depois da recuperação e de treinos constantes, ela conseguiu o primeiro título em 2016, na terceira etapa do Campeonato Mato-grossense de Muay Boran.

Já em 2017, ela se consagrou campeã no Campeonado Mato-grossense, alcançou o mais alto lugar do pódio na Copa Brasil de Muay Thai e no Campeonato Brasileiro de Muay Thai. No mesmo ano, ela ainda foi vice-campeã do Campeonato Mato-grossense de Boxe.

No ano passado, Inaleia participou pela primeira vez do Mundial de Muay Thai e conquistou, logo de cara, o segundo lugar. Foi em 2018 também que ela conquistou mais dois títulos estaduais e foi bicampeã brasileira, na categoria até 6 kg.

Por já ter passado antes pelo torneio mundial, Inaleia teve que se preparar de maneira diferente este ano.

“Como eu já competi no ano passado lá, a gente fez umas mudanças nos treinos para que eu competisse e trouxesse o título. E foi o que aconteceu”, conta empolgada.

Os custos para uma viagem para o outro lado do mundo são altos e podem chegar até R$ 10 mil, dependendo da época em que as passagens são compradas. Por isso, além de se dedicar ao esporte, ela trabalha como costureira. “É correria para sobreviver”, diz.

Para arcar com as despesas altas das competições, Inaleia conta com alguns patrocinadores e apela para outras formas de arrecadação.

“A gente fez vaquinha, vendeu camiseta, fez um monte de coisa, mas mesmo assim não cobre os custos de uma viagem dessa”, afirma.

Diante das dificuldades, Inaleia chegou a procurar auxílio do poder público para competir, massem sucesso.

“Fomos atrás do Governo, da Prefeitura, do Estado, mas a gente não teve apoio nenhum”, diz.

A falta de suporte também era visível dentro de casa. O agora ex-marido não aceitava que ela competisse nos campeonatos e pedia para ela deixar a carreira de atleta.

“Quando comecei a competir Muay Thai, meu marido não aceitou e pediu para eu sair de casa. Ou eu parava de competir ou eu saía de casa. Ele me pôs para fora de casa, eu fui, e eu estou muito feliz porque hoje eu sou campeã mundial, bicampeã nacional, tricampeã estadual e assim vai”, conta.

Mesmo com todos os problemas no caminho, ela não se deixou abater e conseguiu ir para a Tailândia no início de março. Lá, conseguiu seu primeiro título mundial, lutando contra uma representante do Líbano e, depois, enfrentando outra brasileira na final, a carioca Mônika Cruz.

"Meu sonho buscar esse título e, graças a Deus, eu trouxe para Cuiabá, para Mato Grosso. O título é nosso, não só meu”, diz.

A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé e texto

A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé e texto

Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

75.1%
23.6%
1.3%