23/03/2019 às 21h07min - Atualizada em 23/03/2019 às 21h07min

Mais de 80 policiais procuram bandidos que mataram investigadora; outra vítima é encontrada na região e menor suspeito é detido

Mais uma pessoa foi encontrada morta perto de onde mataram a policial e os crimes podem ter relação. Um menor está detido para averiguação. Investigadora está sendo velada em Barra do Garças. Cúpula da Polícia Civil esteve em Água Boa e Barra do Garças prestando as condolências à família

Ronaldo Couto
ARAGUAIA NOTÍCIA
AGENCIA DA NOTÍCIA


Continua o cerco policial na região do Araguaia, em Mato Grosso, a procura dos dois indivíduos que mataram a investigadora da Polícia Civil, Márcia Regina de Matos Silva, 59 anos, que teve a chácara invadida e depois foi assassinada durante a fuga dos bandidos que levaram o carro dela, um pick-up Strada, no município de Ribeirão Cascalheira.

Uma megaoperação está em andamento com mais de oitenta policiais entre militares e civis numa caçada aos indivíduos que podem estar no mato entre Ribeirão e Confresa. A operação está sendo coordenada pela delegada regional de Água Boa, Luciana Canaverde, mas com suporte das regionais da PJC de Barra do Garças, Nova Xavantina, Confresa e Vila Rica.

O corpo da investigadora foi encontrado com tiro no rosto durante a madrugada de sábado. Um pouco antes os policiais encontraram também o carro dela e pela manhã outra vítima provavelmente de latrocínio também foi encontrada perto de onde morreu a policial Márcia. A apura se os crimes têm ligação.  Um menor foi detido para averiguação e teria sido reconhecido porém ele nega qualquer participação.

O delegado-geral da Polícia Civil-MT, Mário Dermeval Aravechia de Resende; o diretor do interior da Polícia Civil-MT, Walfrido Franklim do Nascimento, e a presidente do Sindicato de Investigadores de Mato Grosso (Sinpol), Edleuza Mesquita, estiveram na parte da manhã na cidade de Água Boa-MT acompanhando as diligencias para prender os autores do latrocínio da policial. Eles estiveram com a delegada regional Luciana Canaverde.

Na parte da tarde, a comitiva que veio de Cuiabá da Polícia Civil esteve em Barra do Garças onde está sendo velada a policial na Casa de Velório prestando as condolências aos familiares. Um dos filhos de Márcia disse que a mãe estava faltando um ano para se aposentar. “Minha mãe trabalhou mais de 15 anos em Barra do Garças e tirou muito serviço na Municipal e depois foi para Ribeirão Cascalheira”, comentou bastante emocionado.

O filho disse que a mãe estava deitada no quarto da chácara quando ouviu a movimentação de gente chegando na chácara. Dois indivíduos de roupa escura e com capacete escondendo o rosto. Eles chegaram rendendo o esposo e irmão do esposo e posterior a investigadora que foi levada como refém.

Márcia será sepultada no domingo por volta das 9 horas da manhã no cemitério central. O delegado regional Adilson Gonçalves informou que a regional de Barra do Garças está dando todo apoio à família e diversos colegas vão estar acompanhado o enterro.

Dr Adilson informou que a regional de Barra do Garças mandou oito agentes e um delegado para acompanhar as diligencias no sentido de prender os bandidos que invadiram a chácara e depois mataram a policial.
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

75.1%
23.6%
1.3%