01/03/2019 às 16h27min - Atualizada em 01/03/2019 às 16h27min

Justiça decreta prisão preventiva de empresário acusado de matar professora

THAIS FAVARO / OLHAR DIRETO
ARAGUAIA NOTÍCIA


O empresário Alessandro Latenschalager, de 31 anos, principal suspeito de matar a professora Rosangela da Silva, de 32 anos, em fevereiro, teve a prisão preventiva decretada por tempo indeterminado. O acusado estava cumprindo prisão temporaria de 30 dias, porém o prazo venceu na quinta-feira (28).

O corpo de Rosangela foi encontrado após 14 dias de buscas, em um matagal às margens da rodovia estadual MT-249, em Nova Mutum (241 Km de Cuiabá). O inquérito sobre o assassinato deve ser concluído nos próximos dias.

Alessandro está preso desde o dia 30 de janeiro, em Foz do Iguaçu (PR). O delegado Rodrigo Costa Rufato relatou que o suspeito “deixou o carro na casa dos pais e desapareceu. Além disso, em meio aos depoimentos e declarações encontramos elementos que comprovam que ele matou Rosângela. Já é possível afirmar que ele cometeu esse crime”.

“Ele estava preso temporariamente até hoje (quinta-feira 28). Então, eu representei novamente para que continuasse preso e foi decretada (prisão preventiva) na data de ontem, que agora durará por tempo indeterminado. Ele responderá o processo preso. Foi encaminhado este documento até Foz do Iguaçu (PR), então o mandado já se encontra cumprido”, disse Rufato.

A polícia detalhou que Alessandro “foi visto buscando Rosângela, em um contexto de forte discussão entre o ex-casal. Ambos seguiram em um HB20 branco. Uma amiga da vítima ficou na casa e viu Rosângela saindo com ele. Foi apurado que, no dia 26 do mês passado, o suspeito deixou a cidade em fuga ao Paraguai. Ele passou a ser monitorado e já com indícios de ter assassinado a vítima”, disse o delegado.

Na ocasião, Rodrigo explicou que “a vítima vestia as mesmas roupas do dia do desaparecimento e estava com objetos pessoais (relógio, anéis, piercing). O corpo foi localizado coberto com um lençol e alguns galhos quebrados e jogados por cima. Estava também em processo de decomposição parcial, mas parte do corpo ainda se mantinha preservada, inclusive, as tatuagens estavam com nitidez, possibilitando identificar que se tratava da professora”, informou o delgado ao portal Médio-Norte Notícias.

A professora Rosângela da Silva, 32 anos, foi sepultada em Nova Mutum. Em nota, a prefeitura lamentou a morte da professora e decretou luto oficial por três dias. Ela trabalhava na escola municipal Lucia Faccio desde fevereiro de 2016. No documento, a administração também destacou e reconheceu o trabalho dos policiais para encontrar o corpo.

(Informações Só Notícias) 
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

75.1%
23.6%
1.3%