21/01/2019 às 18h03min - Atualizada em 21/01/2019 às 18h03min

Morre professora de Barra do Garças que lutava contra leucemia e fez várias campanhas para doação de medula óssea

Nádia Andrade se tornou um símbolo da conscientização que podemos ajudar outras pessoas. Ela conseguiu mobilizar mais de 3 mil pessoas para se tornarem doadores na região de Barra do Garças

Ronaldo Couto
Araguaia Notícia


Faleceu na manhã de segunda-feira (21/1) em São Paulo, a Professora Nádia Andrade, 32 anos, que lutava contra uma leucemia e fez diversas campanhas para conscientizar as pessoas a se inscrevem no Redome e se tornarem possíveis doadores de medula óssea na região de Barra do Garças.

Foram duas campanhas que Nádia protagonizou e conseguiu cadastramento de mais de 3 mil pessoas. Recentemente o Redome voltou a cidade de Aragarças por incentivo do Major Sandro Botelho para novamente buscar novos possíveis doadores.

Para as pessoas que tem problema de saúde com leucemia, o transplante de medula é uma das alternativas de cura ou prolongamento da vida. E Nádia sempre acreditou nisso tanto é que as campanhas de 2013 e 2015 pararam a cidade de Aragarças-GO e os municípios vizinhos.

Para arregimentar candidatos para doares, Nádia recorria a imprensa e a rede social. Nádia descobriu que sofria de leucemia após uma cirurgia de retirada do apêndice em um hospital de Barra do Garças e a um mês de seu casamento.
 
Após fazer seu apelo por meio das redes sociais, ela conseguiu divulgação e apoio das prefeituras das três cidades vizinhas na região cortada pelo Rio Garças (Barra do Garças e Pontal do Araguaia, do lado mato-grossense, e Aragarças, do lado goiano).
 
As campanhas idealizadas por Nádia tinha sempre apoio da Polícia Militar e também do Hemocentro de Goiânia (onde Nádia faz seu tratamento) já estava se deslocando para Aragarças, num trabalho já programado, ela reforçou a divulgação de seu caso para mobilizar as pessoas.
 
As amostras são de apenas 5 ml de cada voluntário. Três técnicos do Hemocentro coletaram sangue e dois realizaram o cadastro dos voluntários no banco nacional de possíveis doadores de medula óssea.
 
Em 2017, Nádia conseguiu um doador de medula óssea, mas compatibilidade de 50% e como precisava fazer a cirurgia ela, mas infelizmente com o tempo foi dando rejeição e chegou ao óbito da professora nesta segunda-feira.

A informação é que o corpo será translado e deve ser chegar na terça-feira em Barra do Garças para ser velado e depois sepultado.

Os pais de Nádia são muito conhecidos em Barra do Garças e trabalham com uma Towner (carro) com cachorro-quente na avenida Ministro João Alberto enfrente ao Hotel São Paulo perto do posto de combustíveis do Lázaro. Nádia teve um grande companheiro durante todo esse tempo, o esposo, cabo Raul, que sempre esteve ao lado dela nos momentos alegres e difíceis no tratamento.
 
Ficam aqui as condolências para família da professora Nádia Andrade. O corpo da professora será velado no templo do Salão do Reio das Testemunhas de Jeová na rua Robertony de Oliveira 315 no bairo Santo Antônio. 

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas em pé, sapatos e terno

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas em pé, sapatos e terno



Nádia se casou um mês após descobrir que estava com a doença (Foto: Arquivo pessoal)

Nádia se casou um mês após descobrir que estava com a doença (Foto: Arquivo pessoal)



A imagem pode conter: 1 pessoa

A imagem pode conter: 1 pessoa


Fila de potenciais doadores aguardando coleta de sangue. Só no sábado, mais de 700 apareceram. (Foto: Nádia Andrade / Arquivo Pessoal)

Fila de potenciais doadores aguardando coleta de sangue. Só no sábado, mais de 700 apareceram. (Foto: Nádia Andrade / Arquivo Pessoal)

Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

1.6%
5.5%
17.7%
75.2%