26/12/2018 às 18h40min - Atualizada em 26/12/2018 às 18h40min

Vereador é solto após disparo e não poderá se aproximar de vítima

O disparo não acertou a vítima, todavia a polícia entendeu que foi uma tentativa de homicídio. Juiza liberou vereador que é primário e com o compromisso de não se aproximar da vítima

Jotta Oliveira / Tribuna Piranhense
Araguaia Notícia


A juíza Gabriela Maria de Oliveira Franco, respondente pela comarca de Piranhas, decidiu, nesta segunda-feira (17/12), revogar a prisão preventiva e conceder liberdade ao vereador Cleuber Vilela Leite (PTB). O parlamentar havia sido preso no sábado (15/12), acusado de tentar matar um homem durante uma briga de bar.

Na decisão, Gabriela Maria de Oliveira Franco disse não achar necessária a manutenção da prisão cautelar, devido ao fato de Cleuber Vilela ser primário, possuir bons antecedentes, residência fixa e possuir mandato no Poder Legislativo piranhense, havendo, dessa forma, a presunção de que a liberdade não será um empecilho à aplicação da lei penal.

Apesar da soltura, a juíza proibiu Cleuber Vilela de se ausentar da comarca de Piranhas e de mudar de endereço sem autorização judicial. Além disso, o vereador não pode frequentar bares, boates ou festas públicas ou locais públicos onde haja comercialização de bebidas alcoólicas e, também, precisa se recolher em casa em todas as noites da semana após as 22h e comparecer mensalmente em juízo para informar e justificar suas atividades.

Outra determinação da magistrada, é que Cleuber não se aproxime da vítima por um perímetro de 200 metros.
O descumprimento de qualquer uma das medidas cautelares aplicadas pela juíza Gabriela Maria de Oliveira Franco causará a decretação da prisão preventiva do político do PTB.

O delegado Marlon Souza Luz, que efetuou a prisão do político do PTB, disse que a soltura não muda o seu entendimento de indiciá-lo por tentativa de homicídio.

"Estou somente aguardando o resultado da perícia no local de crime e da arma para concluir o inquérito, o que deve ocorrer na próxima semana. Mas ouvimos mais testemunhas que vão ao encontro do que a vítima disse, que ele saiu do local e voltou com o intuito de matá-lo", afirmou Marlon.

O caso

O vereador da cidade de Piranhas, Cleuber Vilela Leite, de 42 anos, foi preso no sábado (15/12). Na ocasião, segundo o delegado responsável pelo caso, o parlamentar alegou que, ao chegar ao bar, um cliente comentou sobre uma disputa na Justiça pela propriedade de um terreno.

"O vereador afirmou que a decisão foi favorável a ele e que essa pessoa disse algo do tipo, "olha, isso pode dar problema". Ele afirmou que entendeu isso como uma ameaça e para se defender acabou atirando", disse o delegado.

A vítima conseguiu segurar o braço do parlamentar e o disparo não o atingiu. Em seguida, ele deixou o local.
Após a detenção, a defesa do vereador, em nota, informou que "em momento algum o investigado tencionou ceifar a vida da vítima, e que tudo ocorreu após incisivas e constantes ameaças da vítima contra sua vida e de seus familiares".

Porém, conforme o delegado Marlon Souza Luz, a vítima e testemunhas contaram outra versão. O alvo, inclusive, confirmou que houve a discussão pelo motivo apresentado, mas que ele falou em tom de brincadeira, sem a intenção de ameaçá-lo.

"Diante da discussão, segundo a vítima, o vereador saiu do local de moto, foi até sua casa, pegou o revólver, voltou e efetuou o disparo. Ou seja, ele foi ao bar com a intenção de matar o homem", afirmou.

O vereador foi detido pouco tempo depois, em casa. Inicialmente, afirmou que não sabia onde estava a arma. Mas a corporação fez uma revista e localizou o revólver calibre 38 municiado.


 
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

75.1%
23.6%
1.3%