24/12/2018 às 19h03min - Atualizada em 24/12/2018 às 19h03min

“Ninguém vai ter Natal e os pais dela não sabem se vão ter vida”, diz prima de jovem atropelada

Olhar Direto
Araguaia Notícia
A véspera de Natal da família Inocêncio nunca mais será a mesma. Mas esta com certeza será a pior. Myllena Lacerda, de 22 anos, que foi atropelada em frente à Valley Pub na manhã do último domingo (23), começou a ser velada às 14h desta segunda, e a previsão é que seja enterrada na manhã de terça-feira. “Ninguém vai ter Natal. Ninguém vai ter Ano Novo. Os pais dela não sabem se vão ter vida”, afirmou Fernanda Camilo, prima da vítima, ao Olhar Direto, durante o velório.

Segundo Fernanda, a família está ‘destroçada’ e muito indignada. “O que mais dói é uma menina de 22 anos, que tem a vida inteira pela frente, que ano que vem já ia se formar em direito, que futuramente poderia ter família, filhos, e não teve a oportunidade de nada. Teve a vida ceifada por uma irresponsável, uma ignorante. O que adianta a pessoa ter estudado tanto como ela, ser uma doutora, ter estudado fora e fazer uma babaquice dessas? Que eu vi de lá da câmera está mostrando tudo. Ela [a motorista] teve oportunidade de parar. Ela continuou. Ela passou em cima deles como se fosse pedra”.

Myllena foi atropelada em frente à Valley pela bióloga Rafaela Screnci da Costa Ribeiro, que foi solta nesta segunda (24) após pagar fiança de R$ 9,5 mil (dez salários mínimos) à Justiça.

A mãe da vítima mora nos Estados Unidos, e veio para Cuiabá para o velório. “Ela era uma pessoa doce, boa, não tinha tempo ruim pra nada. E acabou. A mãe dela mora nos Estados Unidos, e veio pra cá, imagina como? Sua filha caçula, sua princesinha, como ela fala, e ver sua filha naquele estado... não é fácil. Ela teve com a filha dela em setembro, ela [Myllena] foi pra lá, ficaram juntas, passearam, e ela teve que vir agora pra enterrar a filha. É injusto”, completou Fernanda.

Ainda segundo a prima, toda a família está revoltada com o resultado da audiência de custódia. “Dói mais a impunidade. Dói mais saber que a Rafaela hoje está na rua, vai ter a vida dela normal. Hoje ela vai participar [do Natal] da família dela, vai continuar bebendo, não vai mudar nada na vida dela. Como ela mesma disse ela é rica, não ia ficar lá. O dinheiro dela vai soltar ela, e a família da Mylena está aqui destroçada. Ninguém vai ter Natal, ninguém vai ter Ano Novo, os pais dela não sabem se vão ter vida. Porque quando perde um filho, perde um pedaço. E ai, cadê a justiça? Cadê as leis de transito, que disseram que dia 17 de dezembro seriam mais rigorosas?”, questiona.

Entenda o caso

Uma mulher, identificada como Rafaela Screnci da Costa Ribeiro, 33, atropelou três pessoas às 5h50 da manhã deste domingo (23) na Avenida Isaac Póvoas, a poucos metros da faixa de pedestre, em frente à Valley Pub. Nesta segunda-feira (24), ela passou por audiência de custódia, pagou R$9,5 mil e foi liberada. 

Também se feriu no atropelamento Hya Giroto Santos, 21, que segue internada em estado grave no Pronto Socorro Municipal de Cuiabá, e Ramón Alcides, que foi encaminhado para a Amecor. 

Rafaela dirigia uma caminhonete no sentido bairro / centro quando atropelou as três vítimas. Ela ainda bateu em um Gol que estava estacionado. Quando a equipe da Deletran chegou, a condutora já estava detida na viatura da Polícia Militar. A equipe solicitou o teste de etilômetro à condutora, que apresentava sinais visíveis de embriaguez, porém, ela recusou-se a fazer o teste.

Diante disso, a PJC elaborou no local do acidente o auto de constatação de embriaguez da condutora da caminhonete, e a levou até o IML para realização do exame clínico. A equipe se deslocou até o Pronto Socorro Municipal de Cuiabá, onde foi constatado o óbito da vítima Myllena de Lacerda Inocêncio.
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

75.1%
23.6%
1.3%