25/06/2013 às 10h14min - Atualizada em 25/06/2013 às 10h14min

Xavantes tentam invadir Fórum em MT, mas juiz mantém prisão de índio

Olhar Direto
Olhar Direto

Mesmo com a pressão dos índios xavantes que cercaram o fórum ao ponto de ser cancelado o expediente de trabalho, o juiz Marco Antônio Canavarro manteve a prisão de Aurélio Xavante, 31 anos, detido por direção perigosa em carro com chassi adulterado e portando munições. O clima ficou tenso em Nova Xavantina porque o índio em questão é filho neto do cacique Alexandre e filho do cacique Mauro que em companhia de mais 100 índios da aldeia Mutum de Nova Nazaré tentaram libertar o índio a todo custo nesta segunda-feira.

A polícia não cedeu muito menos a Justiça mesmo com o pedido favorável pelo relaxamento da prisão por parte do promotor Caio. O comandante do 13° comando regional de Água Boa, coronel Jorge Luís, acompanhou de perto toda a negociação e concordou com a decisão do juiz.

O militar lembrou que o indígena foi preso no perímetro urbano dirigindo com sintomas de embriaguez, portando munição e o carro com chassi adulterado e registro de furto e roubo. Um advogado acompanhou o pedido dos índios junto ao fórum. “Nós conversamos com os caciques e pedimos a compreensão deles que respeitem a decisão do juiz e busquem um recurso junto ao TJ”, destacou Jorge.

Em função da presença dos índios pintados portando bordunas, arcos e flechas e ameaçando invadir o fórum, o juiz Canavarro decidiu cancelar o expediente hoje e solicitou reforço policial. Duas equipes da PM foram deslocadas de Água Boa e Barra do Garças para ajudarem o efetivo da PM e PC que ficaram enfrente ao fórum.

Por volta das 17 horas, os índios subiram num caminhão e seguiram pela BR 158 provavelmente retornando para aldeia em Nova Nazaré. O coronel Jorge espera que eles tenham entendido a situação. O índio Aurélio foi encaminhado para o presídio de Água Boa.

A decisão de manter o índio preso é inédita na região do Araguaia mesmo com a pressão dos índios. A informação é que a sociedade de Nova Xavantina aplaudiu a decisão do Judiciário e destacou que os índios têm entender que a lei na cidade é aplicada para todos.

Os caciques tentam argumentar que os índios são aculturados e não entendem a questão das leis e por isso que houve a detenção. 


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

74.3%
24.3%
1.4%