23/11/2018 às 06h45min - Atualizada em 23/11/2018 às 06h45min

Comércio aposta na Black Friday para aquecer vendas e E-commerce espera faturar R$ 38 bi em 2018

Carolina Glogovchan / Conversion
Araguaia Notícia
A Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) espera que o faturamento do e-commerce atinja a marca de R$ 38 bilhões até o final do segundo semestre deste ano, o que representaria um acréscimo de 15% no setor em relação aos últimos seis meses de 2017. A Black Friday, em novembro, é o carro-chefe do otimismo, diz a entidade.
 
O crescimento nas vendas durante a última sexta-feira deste mês é registrado desde o início da Black Friday brasileira, em 2011. No ano passado, o faturamento do e-commerce na data foi de R$ 2,1 bilhões -- 10,3% mais do que em 2016.
 
Empresas já criaram até áreas específicas para vender durante os dois dias das ofertas, como o caso da Brastemp Black Friday. No ano passado, o crescimento do setor de passagens aéreas também chamou a atenção. De acordo com o diretor de marketing da agência online ViajaNet, Gustavo Mariotto, a expectativa é que alguns voos tenham redução de até 60% neste ano -- principalmente, para destinos nacionais.
 
“A gente se surpreendeu com o volume de vendas e de intenção de consumo das pessoas no Black Friday de passagens aéreas do ano passado e, para mim, as companhias também perceberam que é uma imensa oportunidade”, afirma.
 
Nos últimos anos, os smartphones deram o tom da expansão das vendas: em 2017, as compras via celular cresceram 81,1% em relação à Black Friday de 2016, representando quase 30% dos pedidos, por exemplo.
 
Empresas de monitoramento do comportamento dos consumidores online compartilham o otimismo: a agência de marketing digital e mensuração SEMrush mapeou 22,5 mil buscas por itens com desconto, e o campeão foi o iPhone, com mais de 12,6 mil registros. As buscas por geladeira e TV ficaram empatadas em segundo lugar com 5,4 mil pesquisas cada.
 
Os notebooks tiveram 4,4 mil buscas e os consoles PlayStation 4 e XBox One somaram 7,3 mil juntos. As passagens aéreas também se destacaram, com 2,4 mil ofertas procuradas.
 
Ou seja: os eletrônicos e eletrodomésticos ainda são os itens mais vendidos na Black Friday brasileira. Porém, o universo da Black Friday atinge todo tipo de mercado, desde motéis até clínicas de estéticas, petshops, transportes, viagens e setor de bebidas.
 
Iniciada em 2011, a Black Friday brasileira parece ter conquistado a confiança do consumidor do país: segundo dados do site E-Commerce News, 67% das pessoas estavam esperando pela edição de 2017 para comprar algo.
 
Segundo Ricardo Bove, idealizador do evento no Brasil e diretor do portal Busca Descontos, a movimentação financeira dos lojistas de diferentes setores cresceu de R$ 105 milhões em 2011 para R$ 1,9 bilhão em 2016.
Notícias Relacionadas »
Comentários »