31/05/2013 às 18h01min - Atualizada em 31/05/2013 às 18h01min

Vereador evangélico vota contra ajuda a festa de santo e diz que encontro de motos só serve para engravidar

Olhar Direto
Olhar Direto

O município de Barra do Garças passa viver nesse feriado de Corpus Christi dois eventos turísticos: o encontro de motos, Motorcycle e a festa de Santo Antônio, padroeiro da cidade. É comum a prefeitura ajudar esses eventos com recursos do Fundo Municipal de Turismo após aprovação do legislativo, fato que ocorreu segunda-feira (27), mas chamou atenção o voto contrário do vereador José Maria (PTB).

Na tribuna, ele argumentou que votou contra ajuda de R$ 20 mil para festa de Santo Antônio porque entende que a Igreja Católica deve tocar a festa por conta própria. Porém, o mesmo valor foi aprovado antes por José Maria, que é evangélico, para o festival gospel que teve no encerramento a cantora Damares.

O padre Inácio Enareu, organizador da festa, lamentou atitude do vereador. “A festa de Santo Antônio não é só dos católicos, mas sim da comunidade e faz parte do calendário de Barra há 62 anos. Infelizmente, ele usou dois pesos e medidas diferentes como critério”, destacou o religioso.

Mas mesmo assim, o padre Inácio que ficou conhecido pela frase ‘a festa de Santo Antônio tá bombando’ levou na amizade a posição de José Maria e o convidou para participar da festa. “Eu quero aqui convidar esse vereador, os evangélicos, todos os segmentos são bem vindos na festa”, completou.

José Maria também votou contra ajuda de R$ 20 mil para o Motorcycle alegando que esse evento não contribui em nada e só serve para engravidar as jovens da cidade. A colocação do parlamentar soou como machista e até desrespeitosa com as mulheres. A organizadora do Motorcycle, Janaína Nasser, disse que não existe mulher se oferecendo no evento e destacou que os órgãos fiscalizadores estarão atentos a qualquer situação diferente disto.

Após a repercussão negativa de sua posição, José Maria saiu quarta-feira (29) tentando apagar o incêndio. Ele compareceu nos veículos de comunicação dizendo que sua intenção jamais era ofender a mulher barra-garcense e muito menos ficar contra os católicos. “Eu fui mal interpretado e votei contra porque entendi que não era o momento de ajudar esse eventos. Peço desculpa”, finalizou o vereador.


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

74.1%
24.5%
1.4%