31/05/2013 às 17h50min - Atualizada em 31/05/2013 às 17h50min

Dez presos são transferidos após rebelião em cadeia de Mato Grosso

Olhar Direto
Olhar Direto

Dez detentos identificados como líderes de uma rebelião na cadeia de Barra do Garças, no leste de Mato Grosso, foram transferidos para penitenciária da Mata Grande, em Rondonópolis, como punição. Encabeçando a lista dos transferidos, está o preso Elizeu Marinho Lopes, justamente o que reclamou de ter sido espancado por um agente prisional conhecido como Coalhada.

Foram transferidos também: Eliomar Martins Santos, Mario Edmilson Amorim, Elielmo Elias Russien, Renato Silva Gomes, Andre Luis de Jesus, Wagner Nobre de Castro, Tande Marcondes Oliveira da Silva, Juraci Eduardo Rios dos Santos e Rodrigo de Abreu.

A transferência acabou sendo uma punição para os líderes da rebelião de terça-feira (28) que durou em torno de 3 horas e somente parou após intervenção da Polícia Militar (PM) que teve que usar spray de pimenta para conter os amotinados que se recusavam a voltar para as celas e jogaram colchões e utensílios no meio do pátio e atearam fogo. A todo instante, eles batiam nas grades das celas e gritavam o nome Coalhada o suposto agente que estaria agredindo os presos.

O diretor da cadeia, Rafael Moura, disse que irá apurar essa denúncia. Durante a transferência, quatro agentes prisionais procuraram a Polícia Civil para registrar ocorrência de ameaça que teriam sofrido do detento Elizeu. A cadeia de Barra enfrenta uma superlotação. Projetada para 65 presos, a unidade prisional de Barra está interditada para novos detentos desde o mês de abril e conta hoje com 91 detentos, porém no passado já chegou a ter 151 presidiários.

Outra denúncia feita pelos presos é com relação a um agente prisional que não teria deixado os albergados entrarem na cadeia no dia 14/05 no horário das 21 horas cuja fato está sendo investigado também pelo Ministério Público. 


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

74.4%
24.3%
1.4%