27/05/2013 às 12h22min - Atualizada em 27/05/2013 às 12h22min

Segundo suspeito que tentou matar xavante é preso; crime causou revolta

G1 MT
Reprodução

A Polícia Militar prendeu o segundo suspeito que tentou matar um índio com seis tiros em Nova Xavantina, a 651 quilômetros de Cuiabá. O crime aconteceu no último domingo (12) e desencadeou nesta semana uma onda de saques na cidade feita por um grupo de Xavantes em retaliação à tentativa de assassinato contra o indígena.

O segundo suspeito foi preso no distrito de Indianópolis, localizado a 45 quilômetros de Nova Xavantina, nesta quinta-feira (16). Ele foi preso na casa de parentes após uma denúncia anônima ser encaminhada à Polícia Militar. O G1 apurou que o suspeito tentou fugir do cerco policial, mas acabou detido. Ele foi encaminhado para Nova Xavantina e está sob os cuidados da Polícia Civil do município.

Outro suspeito de ter participado do crime, foi detido nesta última terça-feira (14) tentando pegar carona em um caminhão em Primavera do Leste a 239 quilômetros de Cuiabá. Investigações da Polícia Civil apontam que a dupla é a principal suspeita de tentar matar a tiros Levi Tserewa Omowe Waadahite, de 32 anos. Levi foi levado em estado grave de saúde para o Pronto-Socorro de Barra do Garças, a 516 quilômetros da capital. Ele se recuperou e recebeu alta hospitalar.

A polícia investiga duas hipóteses que levaram o indígena a ser baleado. A primeira é que ele estaria envolvido com o tráfico de drogas. A segunda é que o xavante teria furtado uma bicicleta.

Nesta semana, um grupo composto por pelo menos 30 indígenas oriundo da aldeia Campinápolis chegou em Nova Xavantina em vários carros e invadiram as casas e mais um supermercado, segundo a polícia, porque seriam de familiares e amigos dos suspeitos que balearam o indígena.

Ao G1, o comandante da PM em Nova Xavantina, Roosevelth Fabiano Oliveira Escolástico, declarou que os xavantes roubaram quatro motos que estavam nas residências e levaram, praticamente, 95% dos mantimentos do estabelecimento comercial.

Uma reunião realizada na última terça-feira (14) entre as autoridades locais e os índios pôs fim ao conflito. Os indígenas prometeram em uma semana devolver os mantimentos, as motocicletas e os eletrodomésticos retirados das residências.


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

74.2%
24.4%
1.4%