16/05/2013 às 11h56min - Atualizada em 16/05/2013 às 11h56min

Barra discute ampliação de políticas ao deficiente físico

Olhar Direto
Olhar Direto

Prefeitos e vereadores de 32 municípios do Vale do Araguaia participam quinta-feira (16), em Barra do Garças, de uma audiência pública de lançamento do programa nacional 'Viver sem Limite' do Governo Federal que está sendo apresentado no Araguaia pela Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SNDP). O programa tem a finalidade de fortalecer as políticas públicas em favor dos deficientes físicos no país.

A consultora da UNESCO e integrante da SNDP, Ana Carolina, está em Barra do Garças para orientar os prefeitos sobre o plano nacional. Ela ressaltou que amanhã essa audiência será ampliada para participação de ongs, associações e moradores de um modo geral. "Nós queremos ouvir a todos sobre as necessidades aqui da região e nesse primeiro momento orientar aos gestores sobre os recursos", ponderou.

Ana Carolina é é formada pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás, especialista em voz pelo Centro de Estudos da Voz (CEV) e mestrado em Fonoaudiologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). E coordena o programa Viver sem Limites do Governo Federal nos Estados de Goiás, Mato Grosso e Distrito Federal.

A reunião será no anfiteatro da prefeitura de Barra do Garças a partir das 10 horas da manhã. O plano nacional está fixado em quatro eixos, diz Carolina: educação, inclusão social, atenção à saúde e acessibilidade. Portanto, a intenção é assegurar aos cidadãos portadores de necessidade o que está previsto na constituição.

A secretária de Assistência Social, Mara Kisner, foi designada pelo prefeito Roberto Farias, para ajudar na implantação do ‘Viver sem Limite’ em Barra do Garças. Beto afirmou que um dos compromissos do seu governo é incluir políticas públicas em favor dos portadores de deficiência. Exemplo a acessibilidade na cidade.  


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

74.2%
24.4%
1.4%