01/08/2018 às 15h37min - Atualizada em 01/08/2018 às 15h37min

Jovem diz que matou em assentamento de Baliza porque levou tapa no rosto e vítima estaria armada

O autor do crime se apresentou na delegacia de Aragarças na tarde de terça-feira (31/7) onde apresentou duas armas dizendo que a vítima também estava armada

Ronaldo Couto
Araguaia Notícia
Foi ouvido na tarde de terça-feira (31/7) na delegacia de Aragarças, Uislei Ribeiro Borges, que confessou a autoria do disparo que ceifou a vida de Marconi Oliveira do Carmo, 38 anos, assassinado no maior assentamento agrário do Vale do Araguaia, PA Bandeirantes, que fica no município de Baliza-GO divisa com Mato Grosso. O crime aconteceu no domingo (29/7) quando estava acontecendo uma cavalgada festiva entre os assentados.

O site Araguaia Notícia ficou sabendo, de acordo com testemunhas, que houve uma discussão entre Marconi e Uislei com a vítima desferindo um 'tapa' no rosto do autor que foi até o carro e pegou um revolver e atirou pelas costas em Marconi que ainda chegou a ser socorrido, mas morreu ao chegar no hospital de Doverlândia-GO. Na foto mostra que a vítima estava com chapéu, botas e cinto portanto vestido a caráter para cavalgada.

Uislei compareceu na Polícia Civil acompanhado de advogado e apresentou ao delegado Ricardo Galvão duas armas, que segundo ele, seria o revolver utilizado por ele e a outra arma pertencente à vítima. O acusado alega que atirou para se defender após receber um tapa no rosto e saber que a vítima estava armada.

O delegado Ricardo Galvão explicou que após ouvir o depoimento do acusado e ouvirá testemunhas que estavam na cavalgada e viram o homicídio com objetivo de verificar se o relato de Uislei apresentado bate realmente com o que aconteceu.

 “Se o depoimento dele não coincidir com a verdade dos fatos não poderemos representar pela prisão dele junto ao Poder Judiciário”, acrescentou o delegado.  

Uislei como se apresentou após o flagrante e não tem antecedente criminal, tudo indica, aguardará em liberdade o seu julgamento pelo homicídio. Este Júri Popular deve acontecer provavelmente no início do ano que vem.Marconi era natural da cidade de Paranaíba, de Mato Grosso do Sul, e tinha completado 38 anos no dia 28 de junho e era conhecido como ‘Marconi Casa Branca’ e gostava de participar das cavalgadas no interior de Goiás.
 
 
 
 
 
 
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

75.0%
23.7%
1.3%