13/07/2018 às 07h09min - Atualizada em 13/07/2018 às 07h09min

Ministério Público de Mato Grosso lamenta morte de procuradora que lutava contra um câncer

Maria ângela Veras Gadelha de Souza, 57 anos, está sendo velada em Cuiabá onde será sepultada

Assessoria / MPE - MT
Araguaia Notícia
A procuradora de Justiça do Ministério Público do Estado de Mato Grosso, Maria Ângela Veras Gadelha de Souza, 57 anos, faleceu na quinta-feira (12/7), no Hospital da Beneficência Portuguesa Mirante, em São Paulo. Ela lutava há alguns anos contra um câncer. O corpo da procuradora foi transladado para Cuiabá, onde está sendo velado na sede da Procuradoria Geral de Justiça, no Centro Político Administrativo. O sepultamento será no final da tarde desta sexta-feira.

O procurador-geral de Justiça, Mauro Benedito Pouso Curvo, lamentou profundamente a morte da procuradora. “Uma guerreira que lutou bravamente pela vida. Assim posso definir Maria Ângela. Mesmo diante de todas as dificuldades enfrentadas ela jamais perdeu a alegria de viver. Muito pelo contrário, sempre se manteve otimista e na certeza de que venceria a batalha. Perdemos um ser humano maravilhoso, uma amiga e uma profissional brilhante, que nunca mediu esforços para desempenhar seu trabalho. O Ministério Público de Mato Grosso fica sem uma grande e competente profissional. Aos familiares desejo meus mais sinceros sentimentos neste momento de dor”.

Maria Ângela nasceu em São Luiz do Maranhão no 31 de outubro de 1960 e formou-se em Direito, pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) no dia 26 de setembro de 1986. Passou no concurso para o Ministério Público do Estado de Mato Grosso onde tomou posse no dia 16/03/1990, iniciando seus trabalhos no dia 19/03/1990 na Comarca de Nobres, começando aí uma grande trajetória profissional.

No dia 08/08/1990 ela entrou em exercício na Promotoria de Justiça de Várzea Grande, onde permaneceu até ser promovida ao cargo de Procuradora de Justiça, em 20/02/2009.
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

75.1%
23.6%
1.3%