11/06/2018 às 07h22min - Atualizada em 11/06/2018 às 07h22min

Pescadores são autuados em 10 mil reais por pesca irregular em terra indígena

Foram apreendidos 110 quilos de pescado

Leandro Nogueira da Silva / Ibama de Barra do Garças MT
Araguaia Notícia
Durante trabalhos de fiscalização, descendo pelo rio Xingu no domingo (8/6), uma equipe do Ibama se deparou com uma embarcação saindo da aldeia da Pedra, na porção sul do Parque Nacional do Xingu, município de Canarãna-MT. O barco continha petrechos de pesca, dois turistas, o cacique Guga Kalapalo e o piloteiro. Os mesmos foram conduzidos para uma praia do outro lado do rio e questionados sobre a existência de documentação necessária para a prática. Apesar de afirmar deter anuência da FUNAI, este documento não foi apresentado, caracterizando a prática de crime ambiental de pesca em áreas protegidas.

Durante a entrevista, o indígena que atende por Aru Kalapalo, atravessou o rio para tirar satisfações com a equipe. Determinou que não havia nada de errado, que a equipe deveria parar de lavrar os termos e seguir para o interior da aldeia com eles. Os agentes decidiram ficar no mesmo local e terminar a qualificação dos envolvidos na prática criminosa. Cada pescador irregular foi autuado em 10.000,00 reais e, à pousada responsável pelo agenciamento dos turistas e dos veículos utilizados, compete a aplicação de multa de 100.000,00 reais.

Na mesma ação, uma familia de Ribeirão Cascalheira MT foi constatada pescando na Fazenda Pontal, interior da TI Pequizal do Naruvôtu, e também foi autuada, tendo seus petrechos de pesca apreendidos. Já fora da área protegida, turistas de Franca-SP e Serrana-SP, e funcionários da empresa Vale Verde de Canarãna foram autuados por uso de rede e por pescar peixes fora de medida, respectivamente. Ao todo foram apreendidos na ação deste fim de semana 03 barcos, 03 motores de popa, 01 freezer, 01 gerador de energia, 08 redes, 110kg de peixe e diversas varas.



 
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

74.3%
24.4%
1.4%