05/06/2018 às 00h53min - Atualizada em 05/06/2018 às 00h53min

Porcos do mato atacam e destroem 15% de lavoura de milho no Araguaia

O problema é grave e recorrente no leste de Mato Grosso. A redução de área no milharal pode chegar a 30%.

MT Rural / Clodoeste Kassu Agua Boa News
Araguaia Notícia
Um ataque de porcos do mato destruiu 15% da lavoura de milho de um produtor em Água Boa. O problema é grave e recorrente no leste de Mato Grosso.
 
As imagens de drone mostram a área cultivada com milho, com mais de 600 hectares. Do alto é possível perceber os estragos causados pelos porcos do mato. A estimativa do produtor é de que pelo menos 15% da área estejam perdidos por causa da passagem dos animais, que se alimentam do milho e abrem verdadeiras clareiras nas lavouras.
 
De acordo com o agrônomo que atende a fazenda, o prejuízo deve aumentar ate a colheita que será feita daqui a um mês e meio. A redução de área no milharal pode chegar a 30%.
 
Ataque de porcos do mato destruiu 15% da lavoura de milho de um produtor em Água Boa (Foto: TV Centro América/Reprodução)

Ataque de porcos do mato destruiu 15% da lavoura de milho de um produtor em Água Boa (Foto: TV Centro América/Reprodução)

Ataque de porcos do mato destruiu 15% da lavoura de milho de um produtor em Água Boa (Foto: TV Centro América/Reprodução)
 
Na região, os produtores querem providências das autoridades para que esses animais possam ser controlados. Atualmente a legislação proíbe o abate de espécies nativas, como os queixadas e catetos, que também causam grande destruição nas lavouras.
 
Um projeto de lei de 2016, que muda algumas regras para a caça de animais silvestres ainda está em tramitação em comissões na Câmara dos Deputados.
 
No caso de ataques provocados por javalis ou javaporcos, que são espécies exóticas consideradas invasoras, a caça pode ser feita mediante autorização e acompanhamento do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

74.3%
24.4%
1.4%