28/05/2018 às 11h16min - Atualizada em 28/05/2018 às 11h16min

Fazendeiro denuncia sumiço de mais de 20 cabeças de gado em MT e polícia descobre envolvimento de funcionários

Algumas carcaças de animais foram encontradas com vestígios de disparo de arma de fogo.

G1 MT
Araguaia Notícia
Polícia Civil de MT/Assessoria
Uma investigação identificou uma quadrilha que agia no furto a gados e venda ilegal da carne dos animais abatidos de uma fazenda no município de Polícia de Porto Alegre do Norte, a 1.143 km de Cuiabá.

Segundo a Polícia Civil, uma pessoa foi presa e outras três foram identificadas. Os envolvidos são funcionários da fazenda.

De acordo com a Polícia Civil, a investigação iniciou na quinta-feira (24) quando a vítima de uma grande propriedade rural registrou boletim de ocorrência na delegacia comunicando furtos de bovinos no período noturno. Algumas carcaças de animais foram encontradas com vestígios de disparo de arma de fogo.

Em diligências, os investigadores apreenderam na sexta-feira (26), na distribuidora de bebidas de propriedade de José Amilton Gomes da Silva, algumas carnes do animal furtado da referida fazenda, além de carne de animal silvestre.

Também foram identificados três homens que participaram do crime. Todos os envolvidos são funcionários da fazenda e, para a polícia, utilizaram-se do abuso de confiança para prática dos delitos.

Nas residências dos suspeitos também foram localizadas carnes dos animais furtados, além de uma espingarda calibre 38, que seria utilizada para cometer os ilícitos.

A vítima registrou a falta de, pelo menos, mais de 21 cabeças de gado que desapareceram da propriedade, sendo que alguns animais foram subtraídas por meio de abate no próprio pasto.

José Amilton foi preso em flagrante e em interrogatório confessou o crime sendo encaminhado para Cadeia Pública de Porto Alegre do Norte, ficando à disposição da Justiça. Os demais suspeitos encontram-se foragidos.
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

75.0%
23.7%
1.3%