02/04/2013 às 12h54min - Atualizada em 02/04/2013 às 12h54min

Enfermeira é assassinada pelo genro policial após discussão

Olhar Direto
Facebook

A técnica em enfermagem Maria do Socorro Machado Alves, 47 anos, foi assassinada pelo genro, o policial militar Diego Gama de Oliveira, 25 anos, após intervir numa briga da filha com esposo em Aripuanã, a 1.100 km de Cuiabá, por volta das 19 horas de domingo (31). Diego tinha agredido a esposa que ficou ferida e levou-a até o hospital quando retornou para casa foi indagado pela sogra dando início a uma discussão. Diego que estava fardado e iria entrar de trabalho atirou no peito da sogra que praticamente morreu na hora. A pistola utilizada no crime era de uso paticular do PM. Maria do Socorro era funcionária do Pronto Socorro de Barra do Garças passou no concurso de 2009.

O delegado de Aripuanã, Albertino Felix Brito Júnior, informou ao Olhar Direto que o soldado foi preso logo após o homicídio pelos próprios colegas de farda porque o crime ocorreu na mesma rua da companhia da PM. "Ele foi autuado em flagrante pelo homicídio e após o procedimento da polícia foi encaminhado para o batalhão pelo fato de ser um militar", explicou o delegado. Diego também é de Barra do Garças e ao passar no concurso mais recente da PM se mudou para Aripuanã onde mora com a esposa Arlinda Karina Machado Santos, 25 anos, e tem três filhos.

O homicídio ocorreu após o casal ter saído de uma festa de páscoa. Maria do Socorro atuou por dois anos como enfermeira na Casa do Índio (Casai) de Barra do Garças e após passar no concurso se transferiu para o município.

O corpo de Maria do Socorro segue para Barra do Garças e posteriormente para Minas Gerais. De acordo com o delegado, Diego pode ser expulso da corporação se foi apenado ao final com mais de quatro anos pelo crime de homicídio. 


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

75.1%
23.6%
1.3%