28/02/2013 às 17h36min - Atualizada em 28/02/2013 às 17h36min

Ex-funcionário do Banco do Brasil é indiciado por estupro de filha de 3

Olhar Direto
Olhar Direto

A delegada Débora Cardoso confirmou o indiciamento do ex-funcionário do Banco do Brasil, o perito financeiro Marcos José de Castro e Silva, 42 anos, acusado de estuprar a própria filha de 3 anos. O caso teria acontecido dia 1 de fevereiro, porém a Polícia Civil aguardava exames complementares e novos testemunhos para confirmar a suspeita do crime.

A delegada disse que o acusado foi indiciado por estupro de vulnerável e o inquérito deve ser concluído ainda nesta semana para ser remetido ao Ministério Público. O caso repercutiu porque a Polícia Civil demorou para confirmar o indiciamento. Segundo a delegada, a demora foi devido à dúvida inicial que teve o médico legista se houve ou não o rompimento do himen da criança.

“Baseado nos depoimentos até aqui da própria criança e do irmão dela de 6 anos decidi indiciar o suspeito”, explicou a delegada que não quis entrar muito no mérito como o caso aconteceu.

A mãe da criança procurou semana passada a imprensa e fez um apelo alegando que o crime estaria ficando impune. Aryanna Bueno disse que além do estupro, o ex-esposo teria agredido ela e a irmã dela. Segundo relato da denunciante, que é universitária, no dia 1 de fevereiro, quando chegou em casa encontrou o filho assistindo filme na sala e a filha dormindo. Porém, logo a criança chorou e reclamou de dores.

Ela foi verificar e percebeu uma anormalidade na genitália da menina e procurou o Pronto Socorro onde foi aconselhada a ir a polícia. A mãe diz que a criança estava com assaduras na parte íntima e tinha um liquido suspeito de ser esperma. A delegada ponderou que o liquido não foi identificado, mas que o médico legista pediu um exame complementar com esse objetivo.

O processo agora segue para o Ministério Público. 


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

75.1%
23.6%
1.3%