29/11/2017 às 16h27min - Atualizada em 29/11/2017 às 16h27min

Pastor ameaça denunciar falsários na PF se não receber quantia milionária prometida

NX1
Um pastor de Nova Xavantina, que caiu no golpe dos milhões, fez vários depósitos em contas bancárias de uma quadrilha de falsários e estelionatários, aguardando um retorno milionário que até hoje nunca viu o cheiro do dinheiro, comentou em um grupo denominado “Queremos receber Peró”, que vai aguardar receber até dia 01 de dezembro sua quantia milionária.

Segundo o pastor, que ainda está com esperança em ficar milionário, se o dinheiro não cair na conta, dia 04/12, o mesmo irá denunciar e apresentar todos os comprovantes de depósitos realizados á vários corretores do esquema na Polícia Federal.

O pastor e outras dezenas de pessoas, entre eles, Advogados, professores, ex-secretário municipal, empresários, dona de casa caíram no golpe que era baseado na existência de uma suposta mina de ouro que foi explorada há muito tempo e cujos valores oriundos das comissões para a revenda estariam sendo repatriados e cedidos, vendidos ou até mesmo doados a terceiros, mediante pagamentos.

Muitas vítimas foram induzidas a investir em projetos cujos contratos não possuem lastro ou objeto jurídico plausível. Os investidores eram induzidos a depositar quantias para ter uma lucratividade de mais de 1.000%. Também eram falsificados documentos de instituições públicas federais na tentativa de oferecer credibilidade ao que era repassado às vítimas.

DENUNCIE

A Polícia Federal (PF) em Mato Grosso do Sul criou um formulário padrão para atender as cerca de 25 mil vítimas em todo o país do grupo suspeito de aplicar golpes que prometiam retornos milionários, acima de 1.000%, em investimentos que nunca existiram.Conforme a instituição, as vítimas devem baixar o formulário, por meio do link na página, imprimi-lo, preenchê-lo e depois assiná-lo, reconhecendo a firma em cartório. Se residirem em Campo Grande, devem entregar o termo na Superintendência Regional Polícia Federal na cidade, caso contrário devem remetê-lo pelos Correios ao órgão, no endereço: rua Fernando Luiz Fernandes, 322, Vila Sobrinho, Campo Grande, MS, CEP; 79110-503, aos cuidados do delegado que coordenou a operação, Guilherme Farias.

A PF orienta que as perguntas do formulário não devem ser apagadas no momento do preenchimento e que as respostas devem ser sempre apresentadas de forma objetiva e direta. A unidade orienta ainda as vítimas, que mesmo fazendo o termo de declaração que elas devem procurar a delegacia de Polícia Civil de sua cidade para registrarem um boletim de ocorrência contra o golpe. 


Para acessar o termo clique aqui!

O MENTOR

O mentor do golpe era Sidinei dos Anjos Peró, conhecido como Dr. Peró. Ele afirmava ser juiz arbitral. Contudo, era só fachada. “Juiz arbitral é um cargo que não existe. Um árbitro existe em Câmaras de negociação, não é um cargo público. O que eles queriam era status”, afirma Guilherme Guimarães Farias, o delegado que conduz as investigações.

Foi Sidinei quem decidiu chamar pastores evangélicos para vender esses aportes de sua operação aos fiéis das igrejas.

Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

74.2%
24.5%
1.4%