25/11/2017 às 21h14min - Atualizada em 25/11/2017 às 21h14min

Jovem que bateu na traseira de caminhão é operado em Barra do Garças; mais de 50 pessoas doaram sangue para salvá-lo

Os médicos trabalharam muito para estancar a hemorragia durante cirurgia realizada no Pronto Socorro. O motociclista está na UTI com a pressão normalizando. Um alívio para família que agradece a mobilização de amigos.

Ronaldo Couto
Araguaia Notícia
Uma mobilização muito grande no período da tarde de sábado (25/11) de médicos e pessoas doando sangue no Pronto Socorro de Barra do Garças para salvar a vida do jovem Bruno Teles Queiroz, que estava de moto e bateu na traseira de um caminhão cata-entulho na avenida Ana Lira. O acidente ocorreu por volta do meio-dia de sábado e deixou o rapaz com dois ferimentos profundos nas pernas e uma fratura na bacia.

Tão logo o paciente chegou no PSM, os médicos observaram a necessidade de repor com urgência sangue porque o rapaz perdeu muito no acidente e começou uma campanha na rede social. O empresário Rui Edson, que é tio do Bruno, informou que os amigos ajudaram a família e mais de 50 pessoas se disponibilizaram a doar sangue. “Foram mais de trinta que doaram de imediato e mais vinte ficaram para depois”, explicou.

Os médicos operaram Bruno e disse que ele está com a pressão estabilizada e foi colocado na UTI por causa da fratura na bacia. Bruno é filho do corretor de imóveis Marcinho Queiroz que já trabalhou na Motogarças e na Cristal.

O garoto trabalha numa farmácia e estava fazendo uma entrega no bairro Cohab quando retornava para o centro na Avenida Ana Lira bateu na traseira do caminhão que estava estacionado corretamente. “Nós não sabemos ao certo porque ele bateu. Nesse momento a preocupação da gente é com a saúde dele. Agrademos aos doares de sangue, o atendimento do Pronto Socorro e agora é pedir orações pela recuperação do meu sobrinho. A família Queiroz agradece a preocupação de todos”, finalizou Rui Edson. 
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

74.2%
24.4%
1.3%