19/11/2017 às 10h28min - Atualizada em 19/11/2017 às 10h28min

Juiz ordena que 60 postos reduzam o lucro sobre o preço do litro do etanol em Goiânia

G1 GO
Araguaia Notícia
O juiz Reinaldo Alves Ferreira ordenou, nesta sexta-feira (17/11), que 60 postos de combustíveis reduzam a margem de lucro sobre o preço do litro do etanol em Goiânia. A decisão liminar foi tomada após uma ação proposta pela Superintendência Estadual de Proteção aos Direitos do Consumidor (Procon-GO), que apontou um aumento abusivo de 120% no litro do combustível.
 
Na liminar, Ferreira ordena que os réus retomem à margem de lucro bruto médio praticada em julho deste ano. Na época, a porcentagem era de 10,2% sobre o preço do litro de etanol adquirido das distribuidoras.
 
Caso descumpra a determinação, cada estabelecimento deve pagar R$ 20 mil por dia. A decisão cabe recurso.
 
G1 tentou contato nesta tarde com o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo no Estado de Goiás (Sindiposto) para que se posicione sobre a decisão, mas não obteve retorno. Anteriormente, no dia em que o Procon entrou com a ação, o advogado Antônio Carlos de Lima defendeu que a atitude dos estabelecimentos acionados não é ilegal.
 
“Ter lucro no comercio não é proibido. Há 1.620 postos, destes, 60 estavam querendo ganhar um lucro maior que os outros. Que mal há nisso? Não é proibido ter lucro. Na visão do Sindiposto, é prática normal de comerciantes quererem ter lucro. Como tem até 40 centavos de diferença de preço, cabe o consumidor procurar onde está mais barato”, disse ao G1.
 
O valor médio do litro da gasolina em Goiânia é de R$ 4,435, segundo o levantamento da a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis divulgado no sábado (11). Já o valor médio do litro de etanol é de R$ 3,26.
 
Aumento abusivo
 
A ação foi proposta no último dia 10 de novembro. Ela resultou de uma pesquisa do Procon-GO em 160 estabelecimentos. Nela, o Procon-GO explica que as distribuidoras de combustíveis reajustaram o preço do etanol em 3,55% no período de julho a novembro de 2017. Já os postos aumentaram, no mesmo período, 14,29% por litro.
 
Ainda conforme apuração do órgão, verificou-se que o lucro bruto dos postos de combustíveis saltou de R$ 0,24 centavos para R$ 0,53 centavos por litro de etanol vendido, o que representou um incremento de mais de 120% na margem de lucro dos postos.
 
A superintende do Procon-GO, Darlene Araújo, destacou que o reajuste também influencia no valor da gasolina. “A elevação do etanol sem justa causa está mantendo o preço da gasolina do jeito que está, elevado desta forma por falta de opção do consumidor de buscar o outro combustível”, afirmou.
 
Denúncia do MP
 
Ainda sobre o preço dos combustíveis, o Ministério Público de Goiás propôs uma ação na manhã desta sexta-feira contra 300 postos. Os promotores de Justiça cobram a redução dos preços dos combustíveis.
 
A medida foi tomada após uma perícia técnica do MP-GO em postos e a comparação com dados da Agência Nacional de Petróleo. Para a promotoria, o preço médio do lucro é de R$ 0,64 no litro da gasolina. Em contrapartida, no resto do país, a média é de R$ 0,42.
 
"O pedido que será feito é no sentido que os preços sejam imediatamente reduzidos porque estão sendo praticados de maneira abusiva e que não sejam feitos novos aumentos sem justa causa. Além disso, será pedido que os postos reduzam a margem média de lucro bruto para o que era praticado em junho", explicou a promotora de Justiça Ariane Gonçalves.
 
 Protesto contra alta nos preços bloqueou distribuidores e gerou falta de combustíveis no interior de Goiás (Foto: TV Anhanguera/Reprodução)

Protesto contra alta nos preços bloqueou distribuidores e gerou falta de combustíveis no interior de Goiás (Foto: TV Anhanguera/Reprodução)

Protesto contra alta nos preços bloqueou distribuidores e gerou falta de combustíveis no interior de Goiás (Foto: TV Anhanguera/Reprodução)
 
Protestos
 
Motoristas se mobilizaram por meio das redes sociais para protestar contra os reajustes. Na noite do último dia 9, eles usaram nariz de palhaço e bloquearam o trânsito na Praça Cívica, no Setor Central. Como forma de mostrar a revolta, vários motoristas também pediram para abastecer apenas o valor de R$ 0,50 e exigiam a nota fiscal de um posto de combustível.
 
“Isso é para mostrar nossa indignação contra o preço abusivo do combustível”, disse o motorista Wilson Rodrigues.
 
Dias depois, na segunda-feira (13), motoristas bloquearam distribuidoras de combustíveis da Grande Goiânia. Como os caminhões não deixaram a unidade, 60 cidades chegaram a ter falta de algum combustível, sendo que 15 não tinham nem etanol nem gasolina. Os manifestantes deixaram a maioria das unidades na quarta-feira (15).
 
No dia seguinte, o Sindiposto realizou uma espécie de força-tarefa para abastecer os postos de combustíveis de Goiás.

Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

1.6%
5.3%
19.1%
74.1%