16/11/2017 às 07h18min - Atualizada em 16/11/2017 às 07h18min

Delegado indicia 9 por assassinato de preso na cadeia de Barra do Garças

Ronaldo Couto
Araguaia Notícia
Reviravolta no caso do preso Paulo Sérgio, 32 anos, que foi assassinado dia 2/8 na cadeia de Barra do Garças, com o delegado responsável pelo inquérito indiciando nove detentos que estavam com a vítima na mesma cela. O caso ganhou repercussão porque já teve duas versões anteriores.

Paulo Sérgio foi preso pelo furto de R$ 5,00 foi colocado numa cela com mais nove detentos sendo encontrado morto por estrangulamento. Na época, os detentos disseram que o crime teria sido cometido por um colega de cela. 

Depois, os presidiários mudaram o depoimento e um deles compareceu no Ministério Público e acusou que Paulo teria falecido em decorrência de uma agressão (um ‘mata-leão’) supostamente aplicado por um agente prisional um dia antes da morte do detento.  
 
Porém o caso teve uma reviravolta com o delegado Adriano Alencar indiciando os nove detentos que estavam na cela com a vítima por culpa ou omissão. “Ficou claro na perícia de que o preso morreu por estrangulamento ocorrido no mesmo dia. Não tem como o agente ter agredido num dia e o detento morrer no outro dia sendo estrangulamento. E no dia citado pelos detentos, o agente estava comigo no fórum numa audiência de outro processo”, explicou o delegado.

Paulo Sérgio foi preso porque furtou R$ 5,00 que estaria dentro de um veículo. E o mais surpreendente é que no mesmo dia de sua morte saiu o alvará de soltura dele.

O detento assassinado era conhecido no bairro Santo Antônio por andar com uma bíblia debaixo do braço falando sobre a volta de Jesus Cristo. No passado, ele foi usuário de drogas e segundo familiares ficou ligeiramente ‘perturbado’ por causa do vício.


 
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

74.3%
24.3%
1.4%