05/11/2017 às 07h17min - Atualizada em 05/11/2017 às 07h17min

Major que atirou em soldado no show de Gustavo Lima é investigado na morte de estudante em Nova Xavantina

Repórter MT


O major da Polícia Militar, Fabiano Roosevelth Escolástico, que atirou e fez a detenção do soldado da PM Raimundo Henrique Leal dos Santos, 22 anos, durante show do cantor Gustavo Lima em Rondonópolis, na madrugada deste sábado (4), é investigado pela morte do estudante Renan Luna, de 22 anos, em uma festa universitária.

Renan foi morto no dia 09 de abril deste ano, supostamente por uma bala perdida em uma festa realizada em Nova Xavantina. O tiroteio aconteceu após o major Roosevelth tentar prender jovens por tráfico de drogas no banheiro da festa.

Na ocasião, três pessoas foram presas por envolvimento na troca de tiros. A principal suspeita é de que o tiro que matou Renan havia partido da arma do major, que negou o fato.

Já na madrugada deste sábado, Fabiano realizou a detenção do soldado Raimundo após troca de tiros no Parque de Exposições Wilmar Peres de Farias, onde era realizado show do cantor Gustavo Lima - parte da programação do Festival Rebouças.

Ambos estavam no evento assistindo o show. Para a polícia, o major disse que o soldado atirou diversas vezes para cima, além de ficar com a arma nas mãos, gerando pânico no local. Porém, testemunhas afirmam que a confusão envolveu diretamente o major e o soldado.

Em depoimento na Polícia Civil, o soldado afirmou que houve uma briga generalizada em que as pessoas passaram a agredi-lo e, por esse motivo, sacou a arma e atirou.

Ao sair do evento, o soldado foi perseguido pelo major. Ambos trocaram tiros na rua e o soldado foi atingido na coxa.

Em um vídeo é possível ouvir alguns disparos, que foram abafados pelo som da música. O cantor Gustavo Lima é avisado por uma pessoa sobre o risco e deixa o palco no meio da apresentação.

Outro lado

Dois processos investigativos foram abertos para apurar o fato, um na Polícia Civil e outro na PM. O soldado foi liberado após ser ouvido e pagar fiança na delegacia. Mas foi novamente detido, dessa vez pela PM, assim que foi liberado.

A assessoria da PM disse que o soldado ficará preso por tempo indeterminado, no 5º Batalhão da PM em Rondonópolis, até que a situação seja apurada pela Corregedoria da PM.
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

1.7%
5.1%
18.9%
74.4%