27/10/2017 às 19h41min - Atualizada em 27/10/2017 às 19h41min

Casos de desaparecimento aumentam 13% em MT

Diário de Cuiabá
O número de desaparecidos entre crianças e adolescentes aumentou em 13% este ano no Estado. Os dados são da Secretaria Estadual de Segurança Pública de Mato Grosso (Sesp). Conforme o balanço, de janeiro a setembro deste ano, 545 menores sumiram em Mato Grosso. Já no ano passado, no mesmo período, o total de boletins de ocorrências envolvendo esses casos chegou a 482. 

De acordo com a delegada responsável pelo setor de desaparecidos da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Silvia Virgínia Biagi Ferrari, vários são os motivos que levam uma criança ou adolescente a pensar em sair de casa, como por exemplo, constantes brigas no anseio familiar, falta de atenção dos pais, más amizades na escola e ainda o caminho fácil para ganhar dinheiro. 

Com isso, a aflição e o desespero para encontrar o ente querido fazem com que a polícia seja o principal ponto de apoio para desvendar o caso. 

Para ser ter uma ideia de como esses casos são pertinentes, a doutora explicou, que em um ano que tem 365 dias os policiais registraram mais de 710 casos de desaparecidos entre crianças e adultos. Este é o caso de 2016, que deste total, 612 foram concluídos com saldo positivo, ou seja, as pessoas foram encontradas com vida. 

Já os casos que não foram solucionados, conforme a delegada explicou é porque os parentes não sabem justificar o motivo do ‘sumiço’, além do mais que os contatos deixados na lista de procura não batem com o nome do procurado. 

Com relação a crianças, a delegacia afirma que são menos comum de ocorrer. No entanto, para nove meses, os dados são considerados para um Estado como Mato Grosso. 

“Normalmente adolescentes e crianças que sai de casa tem o costume de pegar as coisas e partir para a casa do vizinho, amigos e namorados. A maioria das vezes isso acontece quando os filhos não aceitam a correção dos pais ou estão com namorados novos e desejam fugir”, afirmou. 

Quando envolve casos de namoro e o companheiro é maior de idade, Silvia conta que a polícia orienta entregar mesmo com consentimento do menor o suspeito pode responder por corrupção. 

“Os pais nunca devem agredir ou espancar os menores para não sair de casa, sendo que dependendo do caso pode ser registrado como agressão. O ideal é sempre orientar e ter uma conversa aberta porque sair de casa sem avisar alguém não é um crime, mas a delegacia analisa o que pode advir depois disso e para evitar qualquer situação é preciso ficar de olho”, finalizou. 
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

1.1%
4.5%
17.2%
77.2%