25/10/2017 às 19h15min - Atualizada em 25/10/2017 às 19h15min

Polícia Civil prende homem acusado de assassinar travesti

Midia News
A Polícia Civil prendeu, nesta quarta-feira (25), S. R. S., 39 anos, pelo assassinato da travesti, Ricardo da Costa Sousa, 47 anos, e que conhecida pelo nome social “Michelle”.
 
Conforme a delegada Juliana Palhares, crime é tratado como um feminicído, motivado pela condição de gênero, uma vez que a vítima se identificava como mulher.  
 
“Ela morreu em decorrência da violência doméstica e do feminicídio”, afirmou.
 
O acusado foi preso, por força de mandado de prisão, na mesma casa onde a vítima foi morta, no dia 11 de outubro, no Residencial Altos do Parque, em Cuiabá.
 
Michelle foi executada com um golpe de faca nas costas, na região do pescoço.
 
Na ocasião do crime, S.R.S., que era companheiro da vítima, disse a Polícia Civil que não estava em casa e que tinha estado antes com a travesti, por volta das 12h30, e depois saiu para se encontrar com um amigo.
 
Durante o atendimento do local de crime, pela equipe da delegada Juliana Palhares, o homem apresentou um álibi e naquele momento foi confirmado.
 
Mas depois, duas pessoas que tiveram contato com S. R. S., logo após o crime, revelaram que ele era o autor da morte de Michelle.
 
Em 2015, a vítima entrou com pedido de medidas protetivas previstas na Lei Maria da Penha e o Juízo de 1º grau indeferiu a solicitação.
 
A Defensoria Pública de Mato Grosso recorreu e conseguiu as medidas para a transexual, vítima de violência doméstica.
 
O entendimento tem sido usado nos tribunais para outros casos de pessoas trans.
 
Em setembro deste ano, Michelle requisitou novamente as medidas protetivas de violência doméstica contra o companheiro S. R. S., de quem queria se separar e o fim do relacionamento não era aceito. 
 
Ele foi notificado no dia 4 de outubro e ela, morta no dia 11.
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

1.1%
4.6%
17.2%
77.1%