05/08/2017 às 00h27min - Atualizada em 05/08/2017 às 00h27min

Ex-deputado escreve artigo para se despedir de amigo: 'Adeus ao Guirra'

Arimatéia e Guirra já foram adversários na política mas ao longo da vida se tornaram grandes amigos

José Arimatéia / ex-deputado estadual
Perdi um adversário quando da nossa atuação na política de Mato Grosso e perdi um querido amigo quanto ao lado humano da nossa existência.

Nos deixou o Aldemar Araújo Guirra. Estamos agora privado da sua presença física entre nós. Figura querida pela sua humildade, pela sua generosidade e amor por Barra do Garças e seu povo.

Muitas das vezes incompreendido pelas suas atividades policiais, em um momento que mostra o quanto é difícil exercer esta função. Já aposentado recebia o respeito da sociedade de Mato Grosso, já que exerceu o cargo de Secretário de Estado de Segurança, no governo do também saudoso Dante de Oliveira.

Ele não se esquecia nunca de que, qualquer que seja a posição o ser humano deve ser tratado de forma igualitária. Nunca perdia a sua calma e não se deixava dominar pelo ódio. Jamais impunha dificuldades quando visava ajudar alguém.

Sempre sorridente, forte e corajoso não deixava ser vencido pela adversidade e pela dor. Preocupava sempre em não magoar as pessoas com suas ações e palavras.

Fiel no cumprimento dos seus deveres, executou com competência e despreendimento todas tarefas que recebeu, por mais que parecessem insignificantes.

Deixa o amigo Guirra uma família exemplar, fruto de uma semente da qual ele foi o responsável, ao lado da sua maravilhosa esposa, de semeá-la em solo firme da ética, da moral, da dignidade e do respeito.

Vai o amigo e ficam as lembranças e a saudade. Me atenho ao último encontro pessoal que tive com Guirra. Era o ano de 2010 no bar do Aparecido, na rua 1º de maio em Barra do Garças, local dos nossos aperitivos, brincadeiras e piadas.

É essa a minha lembrança do Guirra. É a risada, a alegria estampada nos rostos de todos que ali estavam. É assim que lembrarei sempre dele. A longevidade é uma graça divina. Ao amigo foi permitido viver até os 75 anos.

Por fim que sua família e seus amigos recebam o consolo da misericórdia do Senhor nosso Deus. Creiam na ressurreição da vida e que um dia nos encontraremos novamente. Descanse em Paz, meu amigo.
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

74.1%
24.5%
1.4%