28/07/2017 às 20h48min - Atualizada em 28/07/2017 às 20h48min

Sem-terra invadem trilhos da Ferronorte

Diário de Cuiabá
Depois da ocupação da fazenda da família do ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP), localizada às margens da BR-163, em Mato Grosso, integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), invadiram os trilhos da ferrovia Senador Vicente Vuolo (Ferronorte), em Rondonópolis, na madrugada da última quinta-feira (27).

A ocupação dos trilhos foi feita por cerca de 240 pessoas e ocorre a cerca de 3 quilômetros da Fazenda da Amaggi. Cerca de 80 vagões teriam sido impedidos de chegarem à Rondonópolis. Os protestos ocorrem em todo país e começaram na última terça-feira, em prol da "luta pela reforma agrária" e contra as reformas trabalhista, previdenciária e de terceirização, propostas pelo presidente Michel Temer (PMDB).

Coordenadora estadual do MST, Idalice Nunes, informou que a ocupação na fazenda foi mantida, mas parte do grupo migrou para os trilhos da ferrovia como uma forma de fortalecer o movimento. “Nossa luta é contra o agronegócio que só enriquece os mais ricos e produtores, enquanto esquece-se da população dos mais pobres. O próprio ministro Blairo Maggi representa o interesse destes que querem a ampliação da Ferronorte”, afirmou.

Para os manifestantes, o modal de transporte representa tudo o que o movimento luta contra e está longe de melhorar a qualidade do transporte das pessoas, sendo que apenas irá gerar mais riquezas apenas ao agronegócio. A previsão era de que os trilhos fossem liberados no fim da tarde de ontem. Em Mato Grosso, a Ferronorte conta com terminal intermodal de cargas em Rondonópolis, Alto Taquari, Alto Araguaia e Itiquira. Além disso, o governo do Estado discute a ampliação da ferrovia de Rondonópolis para Cuiabá.

Já a ocupação da Fazendo do Grupo Amaggi ocorreu na última terça-feira. Por meio da assessoria de imprensa, o grupo informou que a Fazenda SMO2-B é produtiva e, que incialmente, estava preocupada com a integridade física dos 17 colaboradores e familiares que residem na fazenda e está tomando as providências necessárias para garantir a segurança dos mesmos.

Paralelamente, também buscava os meios legais para reestabelecer a ordem em sua unidade. Ontem, a assessoria de imprensa do grupo informou apenas que a área continua ocupada e que a assessoria jurídica continuava estudando medidas jurídicas ou legais a serem tomadas em relação a invasão.

Mas, as invasões ocorrem em outras regiões do país. Além da fazenda da família do ministro da Agricultura, integrantes do MST também ocuparam a fazenda Esmeralda, no interior de São Paulo, registrada como sede da empresa Argeplan (Arquitetura e Engenharia Ltda), do empresário João Baptista Lima Filho, amigo do presidente Michel Temer.

Outra área foi a fazenda Santa Rosa, no município de Piraí, região Sul Fluminense, propriedade que pertenceria ao ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) Ricardo Teixeira. Segundo o MST, a ocupação das terras faz parte da jornada nacional de luta pela reforma agrária com o lema "Corruptos, devolvam nossas terras!".
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

1.6%
5.5%
17.6%
75.2%