25/07/2017 às 15h39min - Atualizada em 25/07/2017 às 15h39min

Morador tem energia cortada e mata funcionário de concessionária em MT

G1 MT
Um funcionário foi morto por um morador enquanto religava o sistema de energia elétrica de uma propriedade, nessa segunda-feira (24), no município de Paranaíta 849 km de Cuiabá. De acordo com a Polícia Civil, o morador teve a energia cortada no período da manhã e atirou contra o funcionário, que foi ao local para reestabelecer a energia. O funcionário, identificado como Gilmar Francisco de Oliveira, trabalhava como eletricista pela Energisa, concessionária de energia que atua em Mato Grosso.

Em nota, a Energisa declarou que está de luto em memória ao funcionário que faleceu durante o exercício de suas atividades. A empresa lamentou profundamente o ocorrido e está prestando todo o apoio à família de Gilmar, assim como nas investigações policiais.

O G1 não localizou a família da vítima. Segundo a Polícia Civil, o morador, que trabalha como agricultor, já foi identificado, mas fugiu do local logo após atirar contra Gilmar.

Pelas informações obtidas pela polícia, o morador teve o fornecimento de energia cortado supostamente por falta de pagamento. O problema na conta teria sido resolvido pela mulher do agricultor. O suspeito teria feito ligações para a central de atendimento da Energisa, cobrando que a energia fosse reestabelecida.

Já no período da tarde, Gilmar foi sozinho até a propriedade para religar o sistema elétrico do morador. Ele chegou ao local em uma caminhonete da concessionária e se preparava para o trabalho. Conforme a Polícia Civil, o morador, que ainda estaria embriagado, pegou uma espingarda e atirou contra o funcionário.

O tiro de espingarda atingiu o tórax de Gilmar, que morreu antes de ser socorrido. Testemunhas disseram à polícia que o morador teria ingerido bebida alcoólica durante todo o dia e fugiu logo após o crime.

Os policiais fizeram buscas e até a manhã desta terça-feira (25) o agricultor não havia sido localizado. O corpo de Gilmar foi encaminhado para necrópsia em Alta Floresta, a 800 km de Cuiabá. Não há informações sobre o velório do rapaz.

De acordo com a Polícia Civil, não existiam desentendimentos entre o morador e Gilmar, nem histórico policial de conflito entre eles.
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

1.6%
5.5%
17.8%
75.1%