19/07/2017 às 06h51min - Atualizada em 19/07/2017 às 06h51min

Polícia de Barra do Garças investiga caso de garota estuprada pelo pai por 8 anos

Hoje ela tem 19 anos e conta em post que os abusos começaram em 2006 e que já tentou suicídio. O caso é investigado sob sigilo, de acordo com a Polícia Civil.

G1 MT
A Polícia Civil de Barra do Garças, no Mato Grosso, investiga um caso onde uma garota de 19 anos denuncia que foi abusada sexualmente pelo pai por oito anos. E acusado, pai desta garota, é ex-policial militar que foi afastado da corporação por outros motivos no passado. A jovem fez um relato nas redes sociais contando os sucessivos abusos que sofreu e as tentativas de suicídio motivadas pelos estupros. Ela se cortava bastante principalmente nos braços parecidos com o caso da Baleia Azul. A publicação, segundo ela, foi motivada pela raiva de não ter denunciado o caso antes e a vontade de ajudar outras jovens que passam pelo mesmo problema.

De acordo com a Polícia Civil, a jovem já prestou depoimento. O pai dela, no entanto, ainda não foi ouvido. A investigação segue sob sigilo.

No post, a jovem narra que os abusos começaram por volta de 2006, quando ela se mudou para a casa do pai, em Barra do Garças, a 516 km de Cuiabá, quando ela tinha oito anos de idade. Antes disso, a garota morava com a avó. Segundo ela, o sonho de infância dela era morar com o pai. "Até que aconteceu. E eu estava tão feliz por ter minha mãe e meu pai por perto todos os dias. Mas um dia aquela felicidade se transformou em um inferno de dor que até hoje eu vivo", diz trecho da publicação.

Ela conta no texto que o pai pediu que ela se deitasse na cama, alegando que os dois iriam brincar, e começou a acariciar o corpo dela.

"E todos os dias eu chorei. Eu estava tão assustada para dizer para alguém e eu tinha tanta vergonha de mim mesma e dessa situação. Ele sempre me dava dinheiro depois, ou me deixava sair pra brincar", conta no texto publicado na internet.

Aos 15 anos, KM diz que tentou revidar e ameçou denunciar o pai, caso os abusos continuassem acontecendo. "Ele [o pai] me agarrou pelo braço e me jogou no chão pra fora do quarto e me chamou de ingrata", lembra.[Em trecho da publicação, a jovem diz que teve a primeira crise aos 15 anos (Foto: Facebook/Reprodução)]

Em trecho da publicação, a jovem diz que teve a primeira crise aos 15 anos (Foto: Facebook/Reprodução)]Em trecho da publicação, a jovem diz que teve a primeira crise aos 15 anos (Foto: Facebook/Reprodução)

Em abril deste ano, ao 19 anos, ela tentou se matar pela segunda vez. "Comprei lâminas e cortei meus pulsos. Mas acordei no hospital com o médico dando pontos nos cortes. Estava tão desesperada que gritei por ajuda naquele hospital e ninguém mais uma vez fez nada", narra KM.

Atualmente, KM mora com a avó e pede por Justiça. "Hoje, o sentimento é de raiva. Tenho raiva de não ter denunciado antes e dos prejuízos que isso me trouxe. Hoje o que quero é Justiça", conta ao G1.

"Eu escrevi esse texto para tentar ajudar de algum jeito as vítimas de abuso, que vivem o que vivi. Você é forte menina! Você é muito forte, então se levante e não se esconda. É o seu corpo e é você quem decide quem o toca. Se ninguém te ajuda, ajude a si mesma. Você é linda e é digna de amor", finaliza KM.
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

1.6%
5.5%
17.6%
75.2%