30/03/2017 às 16h18min - Atualizada em 30/03/2017 às 16h18min

O senhor, o servo e a Previdência.

Delegado Adriano Alencar da 1 DP de Barra do Garças
Estamos vendo muitas pessoas criticando os funcionários públicos nesta "Reforma da Previdência" nos colocando como responsáveis por inviabilizar a  gestão de tão importante instrumento de Seguridade Social, que a seu modo protege tanto nós trabalhadores públicos quanto trabalhadores privados, cada um a seu modo e direitos.

Dito isso tenho a ressaltar, não como forma de mostrar privilégio dos servidores públicos deste país, todavia muito esforço pessoal destes, que com muita disciplina, dedicação e fé em Deus alcançaram um cargo público. Para se ter uma ideia desta rigorosa peneira num concurso de 60 vagas previstas para Delegado, num universo de 10.000 candidatos, conquistei esta posição com as bençãos do Pai Celestial. 

Fico imaginando todos os cargos públicos, não preenchidos na forma constitucional do concurso público, mas por indicação de cargo em comissão por políticos, não com muito esforço podemos imaginar o quão pior estariam as coisas, a exemplo dos malfadados casos de corrupção noticiados todos os dias.

A reforma que nos quer ser imposta é fruto de má gestão dos recursos, caridade fiscal promovida com dinheiro do contribuinte as grandes empresas, dívidas destas mesmas grandes empresas com a Receita Federal, desvios dos recursos da previdência para outros fins pelos Governos que se sucederam e tantas outras situações que poderíamos enumerar.

Quando vejo algumas pessoas, não todas por certo, falar que nós servidores somos privilegiados, concordo em partes, no entanto este privilégio foi conquistado numa jornada longa de estudos, sacrifícios e reprovações em vários certames. Algumas informações tendenciosas querem confundir mérito com privilégios, o que por certo são coisas distintas: "chegamos ao absurdo de como querem alguns querer nos envergonhar pelo mérito de ter alcançado um cargo público".

Por derradeiro penso que o Governo para achar um culpado  pelo que esta acontecendo no país busca eleger os trabalhadores públicos ou privados como responsáveis por problema criado desde tempos pelos motivos já enumerados, se esquecendo que o Governo se comporta como o servo que na Parábola dos Talentos recebera um talento, e saindo abriu uma cova e escondeu o dinheiro do seu senhor, sendo que o senhor ao ajustar contas com este servo o qualifica de mau e negligente com o que lhe foi confiado! Com as devidas considerações nos parece que o Governo poderia ter feito no mínimo como na Parábola quando o senhor fala ao servo que este poderia ter colocado o dinheiro aos banqueiros, e ao voltar o senhor receberia com juros.
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

75.1%
23.6%
1.3%