11/03/2017 às 14h29min - Atualizada em 12/03/2017 às 14h29min

Dependente químico provoca briga em família e leva tiro nas nádegas

Interessante News
Aconteceu em Nova Xavantina na manhã deste sábado, 11, na Rua João Maia da Silva, bairro Boa Vista, setor Xavantina. 
Segundo boletim de ocorrência lavrado pela guarnição da 3º Cia. da Polícia Militar local, sob o comando do Major Fabiano Roosevelth Escolástico, o dependente químico Diogo Cortez Vilela, 33, fumava um cigarro na cozinha da residência, quando sua mãe, Silmara Regina Cortez de Oliveira, 30, pediu que fumasse fora da casa devido à fumaça.

Inconformado, Diogo foi para o quarto e pegou uma carabina 22, que estava atrás da porta, e partiu para cima da mãe, com intenção de alvejá-la. Neste momento, seu padastro, Sebastião Gabriel de Oliveira Filho, 63, entrou em luta corporal com o filho de criação, disto resultando no disparo da arma, cujo tiro se alojou nas nádegas de Diogo. 
                                              
Mesmo ferido, segundo o boletim, o suspeito apanhou uma faca sobre a mesa e continuou com as tentativas de agressão à família. 

                                                   DEPENDENTE QUÍMICO
A situação só foi contornada com a chegada das viaturas do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar, que providenciaram a remoção de Diogo para o Hospital Municipal para atendimento, e a devida autuação do flagrante com detenção Diogo, que se encontra em processo de cirurgia e passa bem.
Segundo informações colhidas pelo portal de notícias IN junto à polícia civil,  o suspeito é usuário de drogas químicas e recentemente estava internado em uma clínica em Rondonópolis, de onde fugiu para Nova Xavantina, causando transtornos para a família e vizinhos.

Segundo os policiais, tão logo seja liberado pelo hospital, Diogo será encaminhado para a delegacia de polícia civil para as formalidades de praxe e enviado para o presídio de Água Boa.
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

75.1%
23.6%
1.3%