11/02/2017 às 10h58min - Atualizada em 11/02/2017 às 10h58min

Projeto Ribeirinho Cidadão encerra etapa terrestre e inicia a fluvial

Evelyn Ribeiro | Gcom-MT
Após percorrer 400 quilômetros por estradas de chão, o projeto Ribeirinho Cidadão concluiu, nesta sexta-feira (10.02), na comunidade Porto de Fora (Santo Antônio de Leverger), a etapa terrestre da expedição. A iniciativa leva atendimentos médicos e serviços sociais para quem vive em comunidades rurais isoladas.

O trajeto, entre uma comunidade e outra, teve viagens longas, muita lama, mato, atoleiro e estradas nada fáceis de percorrer e, que se agravam ainda mais devido ao período chuvoso. Neste sábado (11.02), uma nova fase, desta vez fluvial, será iniciada, visando o benefício de muitas famílias.

Conforme levantamento parcial da organização da 10ª edição do Ribeirinho, desde o dia 1º de fevereiro, foram feitos 7.922 atendimentos relacionados à saúde, cidadania e jurídico, além da distribuição de 2.966 caixas de medicamentos, ação desenvolvida em parceria com farmácias e unidades de saúde do Governo de Mato Grosso.

“Há sempre uma expectativa por se tratar de públicos diferentes e, sem dúvidas, a parte fluvial nos dará mais ânimo ainda para continuar este trabalho de forma que corresponda também à expectativa da população”, frisa o juiz e um dos coordenadores do projeto, Antônio Bezerra Filho.

Neste sentido, o defensor público e também coordenador, Air Praeiro, explica que o projeto pode também ser considerado uma lição de vida. Na edição passada, 10 mil pessoas foram atendidas.

“A expressão que traduz tudo é satisfação e a consciência de dever cumprido, principalmente por conseguir atender a todos. Nosso objetivo está sendo alcançado e temos como consequência positiva o número de beneficiados já antes de encerrarmos a programação”, disse Air.



A expedição abrange 70 comunidades e conta com 205 profissionais. Em 10 dias de projeto, a população ribeirinha, incluindo duas aldeias indígenas da etnia bororo, recebeu serviços de atendimento médico com clínicos gerais, oftalmologista e psicólogo, aferição de pressão, exames, vacinação, doação de óculos, confecção do cartão do Sistema Único de Saúde (SUS), casamentos, cadastramento e atualização do benefício Bolsa Família, atividades de recreação para crianças, plastificação ou solicitação de documentos de identidade, CPF e certidões.

Carreta da Caravana

A programação contou ainda com a carreta da Caravana da Transformação, do Governo de Mato Grosso, que disponibilizou consultas oftalmológicas realizadas por dois médicos. As consultas continuam até este sábado (11.02), em Barão de Melgaço, e em Poconé, de 18 a 20 de fevereiro.



“O Ribeirinho ajuda as comunidades que não têm condições. O transporte é caro e as pessoas buscam auxílio, porque são muito carentes de atenção e serviços como estes”, afirmou a professora Creuzane Conceição de Almeida, de 48 anos. Em Mimoso, ela acompanhou o pai, Adão José de Almeida, de 82 anos, e o filho dela, de 11 anos, Vinicius Felix Almeida, para que conseguissem a segunda via do RG.

O documento do idoso era antigo e já estava ilegível e, o do adolescente apresentava uma foto antiga sem o número do CPF.



O Ribeirinho Cidadão é realizado desde 2008 e tem o objetivo de levar serviços essenciais como saúde, justiça e cidadania para uma população isolada e desprovida de assistência social e judiciária.

Na etapa terrestre, o projeto passou por comunidades rurais de Santo Antônio de Leverger, Juscimeira e Mimoso. A fase fluvial é feita em barcos e é voltada para os municípios de Barão de Melgaço e Poconé e termina no dia 20 de fevereiro. A etapa contará com os serviços do Navio de Assistência Hospitalar Tenente Maximiano, da Marinha do Brasil.

São parceiros da expedição Defensoria Pública, Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), Marinha do Brasil, Governo de Mato Grosso, Assembleia Legislativa (ALMT), Prefeituras, Tribunal Regional do Trabalho (TRT-MT), Ministério Público Estadual (MPE), Juizado Volante Ambiental de Cuiabá, Instituto Nacional de Seguro Social (INSS), Ministério do Trabalho e Emprego, Receita Federal, Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Secretarias de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT) e de Saúde (SES-MT), Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá e Serviço Móvel de Atendimento de Urgência (Samu).
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

74.2%
24.4%
1.3%