08/02/2017 às 12h12min - Atualizada em 08/02/2017 às 12h12min

Motorista nega ter expulsado índio Xavante de ônibus em Goiás, diz PRF

G1 GO
A Polícia Rodoviária Federal (PRF) ouviu o motorista de ônibus suspeito de expulsar o indígena da tribo Xavante Sancler Towara Tsorote, de 28 anos, enquanto o veículo passava pela BR-153, em Morrinhos, no sul de Goiás. Segundo a corporação, o condutor, que não teve a identidade revelada, negou as acusações e disse que o índio "começou a se debater, a incomodar diversos passageiros e a implorar para descer”. O depoimento formal do motorista à Polícia Civil é esperado para esta quarta-feira (8).

Sancler, que é funcionário de uma associação de direitos ambientais, procurou o posto da PRF, em Morrinhos, na terça-feira (7). Ele disse que o motorista do ônibus o expulsou do veículo, dizendo que os documentos dele eram falsos e que “lugar de índio era na aldeia”. Ele afirmou que foi obrigado a andar cerca de 10 km até o posto da PRF. (Veja o vídeo).

Na filmagem, o índio relatou que seguia viagem de forma tranquila, até que o condutor parou o veículo, aparentemente, sem motivo por volta de 7h15. “O motorista pediu meu Passe Livre e a minha passagem. Quando ele pegou, olhou e falou que o documento era falso e que eu não tinha o direito de viajar. Um pessoal pediu para ver, mas ele não deixou, falou que conferiu, que era falso mesmo e que não me deixaria seguir viagem”, contou o jovem.

Conforme a PRF, o ônibus fazia o trajeto de Belo Horizonte (MG) para Goiânia. O índio, segundo a corporação, é deficiente físico, já que tem apenas uma das mãos, e tem direito ao Passe Livre. Ele relatou que usou o documento em diversas situações anteriores sem problemas. Da capital goiana, ele seguiria para Barra do Garças (MT), onde mora.

Apesar da denúncia do Xavante, o motorista disse à PRF que, após fazer uma parada para o lanche, por volta das 6h, em um posto de combustíveis em Goiatuba, no sul do estado, todos os passageiros retornaram para o ônibus, mas o indígena o procurou e disse que gostaria de descer. Assim, o condutor alega que solicitou a presença de testemunhas para se resguardar, mas o próprio índio desistiu do pedido e decidiu seguir viagem.

Contudo, cerca de cinco quilômetros depois, o motorista afirma que Sancler “começou a se debater e a incomodar diversos passageiros e que, ao se aproximar de Morrinhos, começou a implorar para descer”. 

O condutor ressaltou aos policiais que pediu para que ele aguardasse até o posto da PRF, mas, como o índio estava em uma forte discussão com outro passageiro, ele optou por parar o ônibus no trevo. Foi quando o indígena desceu “pegou um objeto e o lançou contra ônibus, sem causar danos”.

O motorista garantiu à PRF que vai se apresentar para prestar depoimento à Polícia Civil ainda nesta quarta-feira, quando pretende apresentar vídeos que comprovam a sua versão.

Já Sancler foi ouvido na delegacia de Morrinhos e, ainda na terça-feira, seguiu viagem para Barra do Garças. O G1 tentou contato com a Polícia Civil da cidade, nesta manhã, mas as ligações não foram atendidas até a publicação desta reportagem.

Sancler Towara Tsorote relata que motorista o acusou de ter documentação falsa Goiás Morrinhos (Foto: Divulgação/PRF)

Sancler Towara Tsorote relata que motorista o acusou de ter documentação falsa Goiás Morrinhos (Foto: Divulgação/PRF)


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

1.1%
4.7%
16.9%
77.3%