14/11/2016 às 15h20min - Atualizada em 14/11/2016 às 15h20min

Corregedora encontra presos em condições subumanas

Agência da Notícia
Agência da Notícia

Em inspeção a duas delegacias na região do Araguaia, a corregedora-geral da Justiça de Mato Grosso, desembargadora Maria Erotides Kneip, encontrou presos provisórios em condições subumanas, na delegacia de Vila Rica. A visita foi feita, em outubro, após tomar conhecimento da situação de violação aos direitos de mulheres em situação de prisão por uma notícia na imprensa.

A corregedora se deslocou para Confresa e Vila Rica, para visitar as unidades das cidades. No primeiro dia, 21 de outubro, em Confresa, a desembargadora constatou que não havia ninguém recolhido no momento. “Embora seja limpa, organizada e ventilada, a cela é provisória e não permite o recolhimento por um prazo longo, pois também não possui banheiro”, contou.

Poucos dias antes, algumas mulheres teriam ficado presas no local por falta de transporte para a Cadeia Pública Feminina de Nova Xavantina. “Não é para ninguém ficar na delegacia. Os homens presos por ordem judicial deverão ser levados para a Cadeia Pública de Porto Alegre do Norte e as mulheres para a unidade de Nova Xavantina, que é a mais próxima, independentemente da anuência de vaga”, afirmou o juiz Thalles de Britto.

Em Vila Rica, no dia 22, conforme a corregedora, foram encontrados presos provisórios nas celas, alguns deles em condições subumanas, de violação dos direitos humanos. A Cadeia Pública do município está interditada por decisão judicial há mais de três anos e, por isso, às vezes ocorre de os presos ficarem detidos na delegacia.

O juiz Thalles de Britto concedeu anuência para que os presos de lá sejam recambiados para Portos Alegre do Norte (homens) e Nova Xavantina (mulheres) e o juiz Jorge Hassib Ibrahim, de Vila Rica, determinou a remoção imediata dos que lá estavam.

Segundo Britto, que exerce a função de juiz corregedor dos presídios há pouco mais de um mês em Porto Alegre do Norte, em ofício encaminhado à Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), reiterou que é incumbência do Sistema Prisional proceder com o transporte imediato dos presos por ordem judicial para as unidades prisionais.

Os magistrados aproveitaram para visitar as instalações da cadeia e para criar uma comissão pró-reforma da unidade, composta por autoridades locais e representes do Ministério Público, a fim de unir esforços para resolver o problema regional da falta de vagas e de transporte. Com a reforma e o atendimento às condições determinadas pela Justiça, será possível desinterditar a cadeia.


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

1.3%
4.7%
16.8%
77.2%