08/11/2016 às 13h53min - Atualizada em 08/11/2016 às 13h53min

Corpo de criança achada em caixa de papelão é liberado pelo IML

Agência da Notícia
Agência da Notícia

Quase dois meses após ser descoberto dentro de uma caixa de papelão, em uma área de mata de Primavera do Leste para sepultamento. A família da criança, que foi assassinada no dia 7 de setembro deste ano pelo pai e pela madrasta, aguarda desde 18 de setembro, quando o corpo foi encontrado, pela liberação.

O corpo da criança é um dos que estava retidos no IML de Cuiabá por falta de um reagente usado em exames de DNA, usados na identificação dos corpos. A demora se deu porque o DNA foi retirado na capital e encaminhado até Goiás para que a identificação fosse feita. Como já foi confirmada a identidade da criança, o corpo foi liberado para a família realizar o enterro.

Segundo a Polícia Civil, Maria Eduarda foi assassinada pelo pai e pela madrasta, Lenilson Barbosa de Souza, de 25 anos, e Katia Cristina de Almeida Lopes, de 27 anos, que confessaram informalmente o crime. Eles foram presos em Água Boa. A madrasta disse às autoridades que Lenilson se irritou depois que a menina defecou nas roupas e na cama e agrediu a filha. O G1 não conseguiu localizar o advogado do casal até a publicação desta reportagem.

Conforme a delegada Luciana Casaverde, o casal morava em Água Boa e foi trabalhar em uma fazenda na região de Paranatinga, a 411 km de Cuiabá. A mãe, que tem a guarda da filha, permitiu que a menina fosse passar uns dias com o casal. A madrasta, o pai e a criança ficaram nessa propriedade por aproximadamente um mês, até que se mudaram para Primavera do Leste.

“No dia 7 de setembro, ela [madrasta] foi ao mercado e, quando retornou, ele [o pai] disse que tinha batido na menina porque ela tinha feito cocô na roupa e na cama. A criança estava grogue e decidiram dar remédio para dores a ela. Deixaram a menina no quarto e durante a noite viram que ela foi a óbito”, declarou a delegada ao G1, na época da prisão. A madrasta não disse qual remédio deu para a criança.

Conforme a polícia, o pai e a madrasta não chamaram a polícia e nem procuraram ajuda depois que perceberam que a menina havia morrido. Eles desocuparam uma das caixas que usariam para a mudança de endereço, colocaram o corpo dentro de um saco plástico e o enrolaram no lençol que a criança dormia.

"Eles amarraram a caixa com uma corda e deixaram na casa. Foram trabalhar novamente em uma fazenda e regressaram depois de dois dias. Perceberam que [a casa] estava exalando um forte odor e decidiram se livrar da caixa [com o corpo]”, disse a delegada.


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

1.3%
4.5%
17.0%
77.2%