30/10/2016 às 19h26min - Atualizada em 30/10/2016 às 19h26min

Aos 82 anos, Iris mostra força e se elege prefeito de Goiânia com 100 mil votos de frente

Diário da Manhã
Reprodução

Com uma diferença de quase 100 mil votos de frente e cerca de 14% de diferença nas urnas, o líder peemedebista Iris Rezende mostrou força neste domingo: venceu Vanderlan Cardoso (PSB), que teve apoio de caciques políticos como Marconi Perillo (PSDB) e Lúcia Vânia (PSB).

O segundo turno foi mais fácil do que o primeiro para o ex-prefeito da Capital. O vice-prefeito eleito é o deputado estadual Major Araújo (PRB), considerado maior adversário da base aliada no parlamento goiano.

A festa em seu escritório político, comitês e espaços públicos não tem hora para terminar.

O peemedebista é o principal vitorioso da disputa goiana, ao lado do senador Ronaldo Caiado (DEM), que o apoiou em todos os momentos da disputa.

Prefeito eleito para gerir Goiânia até 2020, o peemedebista Iris Rezende, contudo, terá pela frente uma cidade com inúmeros problemas de mobilidade, ambientais, de educação, iluminação, saúde e de atenção ao servidor público.

 

As últimas gestões da capital não investiram em infraestrutura de reformas públicas, o que dá ao prefeito uma nova missão: refazer parte considerável do asfalto da cidade. “Um dos principais problemas dos gestores de Goiânia tem sido o esquecimento. Eles não se dão conta de que a malha viária, por exemplo, precisa de reforma a cada 10 anos e troca a cada 20 anos”, diz o engenheiro civil Alberto Nascimento, que atua na ONG A paz que eu quero.

Ele pretende listar os problemas de engenharia e urbanismo da cidade e entregar para Iris Rezende. “Acredito que ele terá muito trabalho pela frente. Terá, por exemplo, que trocar todo o asfalto da Cidade Jardim, da vila Isaura, região de Campinas, do Jardim Goiás, Fama, Pedro Ludovico, Capuava, Vila Nova, enfim, quase tudo”, diz.

O engenheiro diz também que Iris terá que cuidar da iluminação pública da cidade, hoje considerada de risco e motivadora da criminalidade.

“Na verdade, ele disse que assim que assumir trocará toda a iluminação da cidade. Temos um cálculo de que isso ficará em torno de R$ 12 milhões. Logo, fazemos questão de acompanhá-lo nesta empreitada e verificar como fará isso”.

Outro problema-bumerangue que voltará para Iris Rezende é o transporte público, que ele prometeu resolver em seis meses. Com a sua eleição, 12 anos depois da primeira vitória neste século, resta ao novo gestor uma cidade que apresenta déficit de linhas de ônibus e coletivos velhos que atentam a população, onerada com um dos preços mais elevados do Brasil.

Os supostos desvios de verbas do Instituto de Assistência à Saúde e Social dos Servidores Municipais de Goiânia (Imas) para pagar dívidas da Prefeitura será outro problema a resolver.

Da mesma monta, a dívida milionária com o Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Goiânia (IPSM) que ultrapassa R$ 100 milhões vai onerar os cofres públicos do município.

 

SAÚDE

Cerca de 1,5 milhão de procedimentos são realizados por ano na Capital. Ocorrem 13 mil internações por mês e 12 mil pessoas aguardam na fila de espera a realização de cirurgias.

Diante deste quadro, o Sistema Único de Saúde (SUS) de Goiânia terá que ser reformulado para atender um considerável número de goianienses que morrem nas filas dos Cais.

Com milhares na fila em busca de cirurgia, quase 13 mil pessoas na Capital, o SUS é um desastre na grande Goiânia que necessita de intervenção urgente do novo prefeito.

Cais que atendem moradores de Campinas, Jardim América, Bairro Goyá e Novo Mundo são os que revelam maiores problemas de atendimento, o que exige do novo prefeito urgência em sua intervenção.

Sem investimentos desde o início das década de 2000, o SUS da Capital sofre com a falta de infraestrutura e profissionais.

Iris prometeu voltar a funcionar o Cais 24 horas por dia, com médicos a todo momento nos bairros. Para conseguir tal intento terá que desembolsar, conforme a Associação Médica, cerca de R$ 150 milhões nos próximos quatro anos.

 

EDUCAÇÃO

Uma das promessas mais emblemáticas de Iris Rezende é que ele vai zerar a busca de vagas nos Cmeis da Capital, hoje um dos mais graves problemas das famílias. O futuro prefeito de Goiânia promete resolver o problema em seis meses.

Goiânia só atende 5% dos pais, o que motiva inúmeras ações no Ministério Público de Goiás, já que a educação é um direito social.


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

74.2%
24.4%
1.3%