21/10/2016 às 08h13min - Atualizada em 21/10/2016 às 08h13min

Alunos de Pedagogia da Faculdade Cathedral visitam Cidade de Goiás

Uirá Paiva / Faculdade Cathedral
Reprodução

Na tentativa de ampliar o conhecimento dos alunos a respeito do passado e da preservação dos patrimônios históricos, professoras do curso de Pedagogia da Faculdade Cathedral (Camila Viana, Marli Adams e Francisneire da Silva) elaboraram uma proposta interdisciplinar, com o objetivo de propor uma analise da Cidade de Goiás por meio de seu espaço urbano.

Após fundamentação teórica em sala de aula, requisito para compreensão do conteúdo na prática, acadêmicos do 6º semestre do curso de Pedagogia, participaram de uma aula de campo na Cidade de Goiás no dia 7 de setembro. O objetivo da visita foi de nortear o conceito de patrimônio arquitetônico, se atentando á questões metodológicas do processo de ensino e aprendizagem como: mudanças, e permanências semelhanças e diferenças do presente e passado.

A Cidade de Goiás conserva uma arquitetura colonial do século XVIII e foi tombada como Patrimônio Histórico da Humanidade em dezembro de 2001 pela Unesco. Isso garante que os traços arquitetônicos e fundações históricas estejam protegidos de qualquer alteração.

“Realizamos essa viagem anualmente, com a turma do 6º semestre, mas cada ano descobrimos e aprendemos alguma coisa nova. A Cidade de Goiás, em relação a parte arquitetônica, é um museu a céu aberto, permitindo aos acadêmicos vivenciarem a história nas ruas, nos prédios, nos monumentos, nos depoimentos, costumes e hábitos da população local” relatou a Prof. Elisiane, coordenadora do Curso de Pedagogia da Faculdade Cathedral.

Segundo a Prof.ª Camila Viana, “a mudança do tempo histórico interfere no espaço, assim se dá um lugar de memória, um patrimônio histórico, daí a necessidade de se trabalhar na perspectiva desse conceito.”

A caravana da Faculdade Cathedral teve a oportunidade de visitar a Casa de Cora Coralina, Museu Conde dos Arcos, Museu de Arte Sacra, Igreja da Boa Morte, o Mercado Municipal, Rio Vermelho, o Museu das Bandeiras, as vielas e becos.

Os alunos puderam observar os investimentos realizados na conservação, reconstrução e manutenção do patrimônio. As anotações realizadas pelos acadêmicos serão organizadas e posteriormente transformadas em um álbum de memórias. Dessa forma os participantes entenderam a importância do envolvimento da comunidade na sustentação do município como uma cidade turística.
 


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

74.3%
24.3%
1.4%