13/05/2011 às 19h21min - Atualizada em 13/05/2011 às 19h21min

Prefeituras de MT demoram manifestar interesse em casas populares

Olhar Direto
Reprodução Programa de habitação nacional

Bem menos do que a metade das prefeituras de Mato Grosso encaminharam carta de interesse para inclusão no plano nacional de habitação no Ministério das Cidades. É o que revela uma consulta realizada pelo deputado federal Saguas Moraes (PT) junto ao Ministério das Cidades.

Das 141 prefeituras de MT já encaminharam documentação para o plano nacional de habitação: Água Boa, Alta Floresta, Barra do Garças, Campo Novo Parecis, Chapada dos Guimarães, Canabrava do Norte, Comodoro, Cuiabá, Guarantã do Norte, Jaciara, Juara, Lucas do Rio Verde, Mirassol D’Oeste, Nossa Senhora do Livramento, Peixoto de Azevedo, Poconé, Poxoréo, Rondolândia, Santo Antônio do Leste, Santo Antônio Leverger, São Felix do Araguaia, Tangará da Serra, Terra Nova do Norte e Várzea Grande.

Deram entrada na documentação, mas estão com pendências às prefeituras de Marcelândia, Primavera do Leste, Rondonópolis e Santo Antônio do Leste. Segundo o ofício em resposta ao deputado, nem tudo está perdido para as demais cidades.

Vale salientar que, conforme a Resolução nº. 40, de 27 de abril de 2011, os municípios que ainda não elaboraram seus Planos de Habitação têm até o dia 30.06.2011 para regularizarem sua situação e assinarem a referida Manifestação de Interesse, podendo fazê-lo durante a Marcha dos Prefeitos de 2011, ocasião em que o Ministério das Cidades e a Caixa terão estrutura montada para recepcionar tais documentos.

Essa consulta realizada por Saguas Moraes foi solicitada pelo vereador de Barra do Garças, Odorico Kiko (PT), que está fiscalizando a construção de 123 casas no município. “Nós queremos conhecer os critérios de escolha das famílias e que cadastro seja público para que não haja apadrinhamento político”, frisou o parlamentar barra-garcense.
 


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

74.1%
24.5%
1.4%