03/05/2012 às 13h45min - Atualizada em 03/05/2012 às 13h45min

Disputa por terra e bens pode ter sido motivo de chacina de 7 pessoas em GO

Olhar Direto
Diário do Interior

A chacina que houve em Doverlândia-GO (a 135 quilômetros da divisa com Mato Grosso), pode ter sido motivada por disputa de terra e bens. Essa é a hipótese que a polícia apura após a prisão de três suspeitos na segunda-feira (30). Dois deles detidos durante o velório de duas das vítimas do crime em Frutal, Minas Gerais.

Segundo a polícia, o principal suspeito do crime é Aparecido Sousa Alves, 22 anos, que já trabalhou na fazenda de propriedade de Lázaro Oliveira Costa, 57 anos, local do crime. Oliveira Costa é ex-presidente do Sindicato Rural de Doverlândia. O fazendeiro, juntamente com o filho, mais um caseiro e quatro pessoas que visitavam a fazenda foram degolados e mortos a pauladas pelos criminosos.

Aparecido disse à Polícia Civil que foi contratado para matar o fazendeiro Lázaro e que receberia R$ 50 mil pelo serviço. Além disso, teria recebido adiantamento de R$ 700. Ele apontou a participação de um sobrinho de Lázaro e o sogro do filho do fazendeiro, presos durante velório na tarde de segunda-feira (30). Todavia, eles negam e afirmam que estavam em lugares diferentes na hora do crime.

A briga por terra foi comentada pela delegada Adriana Accorsi, que informou que Aparecido já trabalhou na fazenda de Lázaro e que o pai do suspeito tem uma posse ao lado de onde ocorreu a chacina.

Crime macabro

A brutal chacina aconteceu sábado (28) na Fazenda Nossa Senhora Aparecida. Os criminosos primeiramente mataram o dono da fazenda, Lazaro Oliveira Costa, e o filho dele, Leopoldo Rocha Costa, 22 anos, que tiveram os corpos arrastados e jogados dentro do banheiro.

Depois eliminaram o caseiro Hélio Francisco da Silva, 44 anos, e mais quatro pessoas de uma mesma família que estava visitando à fazenda: Joaquim Manoel Carneiro, 61, Miraci Alves de Oliveira, 65, Adriano Alves Carneiro, 22, e Tamis Marques Mendes da Silva, 24, que aparecem na foto.

A moça estava despida no meio do pasto e a polícia suspeita que ela foi estuprada antes de ser assassinada. Na casa do suspeito Aparecido foram encontradas roupas sujas de sangue, cordas e um telefone celular pertencente a uma das vítimas.

Nesta quarta-feira (2), a Polícia Civil de Goiás deve apresentar os três suspeitos à imprensa em Goiânia. A chacina chocou a cidade de 8,5 mil habitantes cuja principal atividade é a pecuária. Com informações do Diário do Interior.
 


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

75.0%
23.7%
1.3%